sicnot

Perfil

Mundo

Primeiras sanções norte-americanas contra o líder norte-coreano

Os Estados Unidos anunciaram hoje sanções financeiras contra o líder norte-coreano Kim Jong-Un e a outros dez altos responsáveis da Coreia do Norte por violações dos direitos humanos.

Pela primeira vez, Kim Jong-Un foi colocado na lista negra das Finanças norte-americanas após a publicação de um relatório do Departamento de Estado sobre "graves abusos dos direitos humanos na Coreia do Norte", indicou o ministério das Finanças em comunicado.

Os seus eventuais bens no território norte-americano, e dos restantes altos responsáveis abrangidos, foram congelados.

"Sob Kim Jong-Un, a Coreia do Norte continua a infligir uma crueldade e uma dureza intoleráveis sobre milhões de pessoas, incluindo execuções extrajudiciais, trabalho forçado e tortura", afirmou Adam Szubin, subsecretário de Estado das Finanças responsável pela luta contra o terrorismo.

Entre os dez responsáveis designados, as sanções atingem designadamente o ministro da Segurança, Choe Pu Il, o seu conselheiro, Ri Song Chol, e o diretor do gabinete do ministério da Segurança de Estado, Kang Song Nam.

Cinco entidades, incluindo o ministério da Organização responsável pela censura, também foram acrescentados à lista negra norte-americana.

A Coreia do Norte já está submetida a diversas sanções internacionais, em particular norte-americanas, pelos seus programas nuclear e balístico.

Lusa

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.