sicnot

Perfil

Mundo

Sobe para 133 número de mortos devido a inundações na Coreia do Norte

O número de mortos na sequência das inundações que têm afetado o nordeste da Coreia do Norte subiu para 133, de acordo com um novo balanço divulgado hoje pela ONU.

Segundo as Nações Unidas, outras 395 pessoas foram dadas como desaparecidas.

Além disso, aproximadamente 170 mil foram forçadas a fugir das suas casas nas zonas ao longo do rio Tumen, de acordo com o comunicado do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA) da ONU, que cita dados do Governo norte-coreano.

O anterior balanço facultado pela ONU, na quinta-feira, era de 60 mortos.

As pessoas na zona afetada estão a passar por "grandes dificuldades", segundo a imprensa estatal norte-coreana, e a campanha nacional de trabalho massiva lançada para impulsionar a economia foi redirecionada para assistir as vítimas das cheias.

Mais de 35.500 casas ficaram danificadas, incluindo mais de dois terços (69%) completamente destruídas, segundo a OCHA, que deu ainda conta de danos em 8.700 edifícios públicos. Aproximadamente 16.000 hectares de terras agrícolas ficaram inundados e pelo menos 140 mil pessoas precisam de ajuda urgente.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38