sicnot

Perfil

Mundo

140 mil assinaram petição para Durão Barroso perder reforma da Comissão Europeia

Reuters/Arquivo

© Peter Andrews / Reuters

Mais de 140.000 pessoas assinaram até hoje uma petição lançada por funcionários das instituições europeias pedindo que sejam tomadas "medidas exemplares" face à contratação do ex-presidente da Comissão Europeia Durão Barroso pelo banco norte-americano Goldman Sachs.

"Em nosso nome, não!" é o título da petição dirigida aos presidentes da Comissão Europeia, Conselho Europeu e Parlamento Europeu, aberta a todos os cidadãos europeus até ao fim de setembro.

Tem como objetivo levar o caso ao Tribunal de Justiça Europeu para pedir "fortes medidas exemplares" contra o ex-primeiro-ministro português "cujo comportamento desonra os funcionários europeus e a União Europeia".

O apelo foi lançado a 11 de julho, três dias depois do anúncio da contratação de Durão Barroso como conselheiro do Goldman Sachs International para as questões ligadas à saída do Reino Unido da UE (Brexit). Pretende alcançar as 150.000 assinaturas.

No texto, os autores definem-se como "um grupo espontâneo de funcionários das instituições europeias" que se juntaram por estarem "cada vez mais preocupados com a deterioração da imagem do projeto europeu" junto de "familiares, amigos, vizinhos e cidadãos europeus" em geral.

A contratação de José Manuel Durão Barroso pelo Goldman Sachs - "um dos bancos mais implicados na crise do crédito imobiliário de alto risco que levou à crise de 2007-2008, a pior desde a Grande Depressão" - é qualificada no texto de "irresponsável", "lesiva para as instituições europeias" e "moralmente repreensível".

Os signatários defendem que o Conselho da UE e o Colégio de comissários devem levar o caso ao Tribunal de Justiça Europeu.

A essa instância pedem que, independentemente de ter sido respeitado o período de transição de 18 meses após o fim do mandato, "analise em pormenor e com toda a transparência" se foram respeitados os deveres de "integridade e discrição".

À luz das conclusões dessa análise, o Tribunal deve "tomar medidas exemplares devidamente fortes" como "a suspensão da pensão como antigo presidente da CE" e de "possíveis títulos honoríficos relacionados com as instituições europeias", sustentam.

O texto pede ainda um "reforço das regras éticas destas práticas de porta giratória" aplicáveis a antigos membros da Comissão.

Durão Barroso presidiu à Comissão Europeia entre 2004 e 2014.

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21