sicnot

Perfil

Mundo

Acordo de tréguas na Síria globalmente respeitado

O acordo de cessar-fogo na Síria, apresentado como a "última oportunidade" para fazer sair o país do caos, estava esta terça-feira a ser globalmente respeitado.

As armas "calaram-se" logo após a entrada em vigor, às 19:00 (17:00 em Lisboa) de segunda-feira, das tréguas acordadas entre a Rússia e os Estados Unidos, apoiantes do regime e dos rebeldes respetivamente, em mais um esforço para acabar com cinco anos de uma guerra devastadora.

A paragem nos combates deve permitir também o envio de ajuda humanitária urgente às centenas de milhares de pessoas que vivem nas zonas sitiadas, nomeadamente na parte rebelde de Alepo, a segunda cidade da Síria.

Esta terça-feira de manhã, os correspondentes da agência France Presse nos dois lados em que está dividida Alepo, o lealista e o rebelde, não tinham informações sobre qualquer tiro ou bombardeamento durante a noite.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, as principais frentes, províncias de Alepo, Damasco e Idleb (noroeste), estão "totalmente calmas".

Para o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, que negociou o acordo com o seu homólogo russo, Serguei Lavrov, as tréguas poderão "ser a última oportunidade para salvar" a Síria, onde o conflito causou mais de 290.000 mortos desde março de 2011 e obrigou à fuga de milhões de pessoas.

Em numerosas vilas e localidades, nomeadamente as ocupadas pelos rebeldes e bombardeadas diariamente pela aviação do regime, a hora é de alívio.

Muitos dos que habitam aqueles locais congratulam-se por terem conhecido a sua primeira noite de verdadeiro sono desde há meses.

Apesar da oposição e da rebelião enfraquecidas não terem dado apoio formal às tréguas e terem pedido "garantias" ao aliado norte-americano, parecem estar a respeitar o cessar-fogo no terreno.

O acordo estipula um cessar-fogo de 48 horas renováveis, em todas as regiões, com exceção daquelas em que os jihadistas do Daesh ou da Frente Fateh al-Sham (ex-Frente al-Nusra que renunciou à filiação à Al-Qaida) estão presentes.

O regime de Bashar al-Assad anunciou o congelamento das suas operações militares até às 21:00 TMG (mais uma hora em Lisboa) de 18 de setembro.

Os Estados Unidos e a Rússia procuram através do acordo favorecer um recomeço das negociações entre regime e rebeldes.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC