sicnot

Perfil

Mundo

Israel nega abate de aviões militares pelas forças da Síria

O Exército israelita negou a informação avançada hoje pela Síria de que dois aviões de Israel foram abatidos após um bombardeamento contra território sírio.

Última atualização 09.42


"Durante a noite, dois mísseis terra-ar foram lançados de território sírio, depois de uma missão noturna israelita contra posições da artilharia da Síria mas, em nenhum momento, a segurança dos aviões das forças israelitas esteve comprometida", refere um comunicado oficial de Israel.

Segundo o mesmo documento, nas últimas horas, Israel atacou posições do Exército sírio na região central dos Montes Golã, respondendo a um disparo da artilharia síria contra o território controlado pelos israelitas.

Trata-se do quarto incidente do género desde a semana passada e o primeiro desde a entrada em vigor do cessar-fogo em território sírio alcançado pela Rússia e pelos Estados Unidos.

Os Montes Golã, ocupados por Israel e Síria desde 1967, são palco de tensão entre os dois países, sendo que desde o início da guerra civil síria em 2011 a situação agravou-se na região.

Antes do comunicado emitido em Jerusalém, o comando das Forças Armadas sírias afirmou que as baterias de defesa antiaérea tinham abatido um avião israelita que tinha atacado posições militares de Damasco na província de Al Quneitra, próximo do território controlado pelos israelitas nos Montes Golã.

No mesmo comunicado, o Exército sírio explicava que, além do avião, um aparelho não tripulado tinha também sido abatido a oeste da zona de Sasa.

Lusa

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.