sicnot

Perfil

Mundo

PCP considera Barroso o um exemplo de "enorme promiscuidade"

O chefe da delegação do PCP no Parlamento Europeu, João Ferreira, considerou esta terça-feira haver uma "enorme promiscuidade" entre os poderes político e económico na União Europeia (UE), sendo o de Durão Barroso um "exemplo maior" desta realidade.

"Durão Barroso é um exemplo maior de algo que caracteriza as instituições da União Europeia, que é a enorme promiscuidade que existe entre o poder político e o poder económico e financeiro", disse Ferreira, aos jornalistas, em Estrasburgo.

A contratação do ex-presidente da Comissão Europeia pela Goldman Sachs Internacional (GSI) é "um caso que choca, que escandaliza, que repugna, mas que está muito longe de ser um exemplo único", salientou.

João Ferreira exemplificou com os casos Luxleaks, de práticas fiscais agressivas praticadas no Luxemburgo quando Jean-Claude Juncker era primeiro-ministro no país, e de Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu e que trabalhou para a Goldman Sachs.

"O que fica claro é que há uma autêntica passadeira para os interesses económicos e financeiros entrarem por dentro das instituições da UE e as controlarem", considerou.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, anunciou que vai examinar o contrato do seu antecessor com o GSI e deu já instruções ao seu gabinete para tratar Durão Barroso como qualquer outro lobista com ligações a Bruxelas.

Qualquer comissário europeu ou funcionário da UE que mantiver contactos com Durão Barroso será obrigado a registar esses contactos e a manter notas sobre os mesmos.

Esta decisão de Juncker responde à provedora de justiça europeia, Emily O'Reilly, que na semana passada pediu esclarecimentos sobre a posição da Comissão Europeia face à nomeação de Durão Barroso para administrador não-executivo na GSI, sendo ainda consultor da empresa para o ?Brexit'.

Lusa

  • Coreia do Norte foi "isolada à força"

    Mundo

    O empresário espanhol León Smit, que organiza visitas à Coreia do Norte, diz que o país foi "isolado à força", sendo "muito difícil" estabelecer relações comerciais com Pyongyang, sob o regime de Kim Jong-un.

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite