sicnot

Perfil

Mundo

Uber lança serviço de transporte com carros sem motorista nos EUA

© Aaron Josefczyk / Reuters

A Uber lança hoje um serviço de transporte com automóveis sem motorista, totalmente revolucionário e ultrapassando gigantes rivais de Detroit e Silicon Valley através de uma tecnologia que pode tornar-se um ponto de não retorno no mercado.

© Aaron Josefczyk / Reuters

Uma frota de carros equipados com lasers, câmaras e outros sensores - mas com ninguém ao volante - vai hoje percorrer as ruas de Pittsburg, Pennsylvania - Estados Unidos, em resposta à chamada pela internet dos clientes da Uber, que estão habituados a ser recolhidos por carros com motoristas bem vestidos e educados.

A empresa começa com quatro veículos Ford Fusion híbridos, mas tem já prontos para lançar mais de uma dezena.

Os carros e a tecnologia de suporte têm sido treinados na complicada rede viária de Pittsburg há menos de dois anos, mas várias viagens de demonstração feitas antes do lançamento do serviço demonstraram que estão prontos para enfrentar a maior parte das situações - de forma tão eficaz quanto a de muitos condutores.

Ainda assim, os primeiros clientes irão viajar com a presença de dois técnicos da companhia, um sentado atrás do volante, preparado para conduzir em caso de algum problema, e o outro ao lado, para monitorizar o comportamento do veículo.

Este passo da Uber coloca-a à frente da restante indústria automóvel ao disponibilizar este tipo de veículos ao público em geral. Todos os grandes produtores de automóveis estão a desenvolver programas de carros automáticos sem condutor, investigação que está também a merecer a atenção de gigantes tecnológicos como a Alphabet (Google) ou a Apple, entre outros.

O que permitiu à Uber assumir a frente deste pelotão não foram os avanços em engenharia, mas a capacidade de acumular e gerir enormes quantidades de informação sobre estradas e condições de condução recolhida pelos seus condutores.

"Temos um dos grupos mais fortes no mundo em engenharia de condução automática, assim como a experiência de gerir uma rede de partilha de serviço automóvel em centenas de cidades", afirmou o fundador e presidente executivo da Uber, Travis Kalanick, num artigo publicado hoje num blog.

O lançamento de carros sem condutor representa um desafio para a imagem da Uber enquanto serviço baseado numa aplicação informática da "economia gig" que deu a milhões de proprietários de carros em todo o mundo a possibilidade de ganharem dinheiro a transportar passageiros sem licenças de serviço de táxi ou outras permissões.

A nova imagem da Uber é agora a de uma companhia de táxis chamados pela internet, totalmente sem condutores.

A "condução automática é central para a missão da Uber", afirmou Anthony Levandowski, vice-presidente para a área de engenharia da Uber.

Mas este é um designío longínquo, sublinham os líderes da Uber. O principal objetivo, de acordo com Kalanick, é criar estradas mais seguras.

"Os veículos não pilotados da Uber têm o potencial enorme de aprofundar a nossa missão e melhorar a sociedade, reduzindo o número de acidentes, que matam hoje 1,3 milhões de pessoas por ano, libertando 20 por cento do espaço nas cidades atualmente usado para parqueamento, e diminuindo os congestionamentos de tráfego, que desperdiçam biliões de horas todos os anos", concluiu.

Lusa

© Aaron Josefczyk / Reuters

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.