sicnot

Perfil

Mundo

Uber lança serviço de transporte com carros sem motorista nos EUA

© Aaron Josefczyk / Reuters

A Uber lança hoje um serviço de transporte com automóveis sem motorista, totalmente revolucionário e ultrapassando gigantes rivais de Detroit e Silicon Valley através de uma tecnologia que pode tornar-se um ponto de não retorno no mercado.

© Aaron Josefczyk / Reuters

Uma frota de carros equipados com lasers, câmaras e outros sensores - mas com ninguém ao volante - vai hoje percorrer as ruas de Pittsburg, Pennsylvania - Estados Unidos, em resposta à chamada pela internet dos clientes da Uber, que estão habituados a ser recolhidos por carros com motoristas bem vestidos e educados.

A empresa começa com quatro veículos Ford Fusion híbridos, mas tem já prontos para lançar mais de uma dezena.

Os carros e a tecnologia de suporte têm sido treinados na complicada rede viária de Pittsburg há menos de dois anos, mas várias viagens de demonstração feitas antes do lançamento do serviço demonstraram que estão prontos para enfrentar a maior parte das situações - de forma tão eficaz quanto a de muitos condutores.

Ainda assim, os primeiros clientes irão viajar com a presença de dois técnicos da companhia, um sentado atrás do volante, preparado para conduzir em caso de algum problema, e o outro ao lado, para monitorizar o comportamento do veículo.

Este passo da Uber coloca-a à frente da restante indústria automóvel ao disponibilizar este tipo de veículos ao público em geral. Todos os grandes produtores de automóveis estão a desenvolver programas de carros automáticos sem condutor, investigação que está também a merecer a atenção de gigantes tecnológicos como a Alphabet (Google) ou a Apple, entre outros.

O que permitiu à Uber assumir a frente deste pelotão não foram os avanços em engenharia, mas a capacidade de acumular e gerir enormes quantidades de informação sobre estradas e condições de condução recolhida pelos seus condutores.

"Temos um dos grupos mais fortes no mundo em engenharia de condução automática, assim como a experiência de gerir uma rede de partilha de serviço automóvel em centenas de cidades", afirmou o fundador e presidente executivo da Uber, Travis Kalanick, num artigo publicado hoje num blog.

O lançamento de carros sem condutor representa um desafio para a imagem da Uber enquanto serviço baseado numa aplicação informática da "economia gig" que deu a milhões de proprietários de carros em todo o mundo a possibilidade de ganharem dinheiro a transportar passageiros sem licenças de serviço de táxi ou outras permissões.

A nova imagem da Uber é agora a de uma companhia de táxis chamados pela internet, totalmente sem condutores.

A "condução automática é central para a missão da Uber", afirmou Anthony Levandowski, vice-presidente para a área de engenharia da Uber.

Mas este é um designío longínquo, sublinham os líderes da Uber. O principal objetivo, de acordo com Kalanick, é criar estradas mais seguras.

"Os veículos não pilotados da Uber têm o potencial enorme de aprofundar a nossa missão e melhorar a sociedade, reduzindo o número de acidentes, que matam hoje 1,3 milhões de pessoas por ano, libertando 20 por cento do espaço nas cidades atualmente usado para parqueamento, e diminuindo os congestionamentos de tráfego, que desperdiçam biliões de horas todos os anos", concluiu.

Lusa

© Aaron Josefczyk / Reuters

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.