sicnot

Perfil

Mundo

Embaixada britânica em Ancara encerra por motivos de segurança

A embaixada britânica em Ancara vai estar encerrada esta sexta-feira por motivos de segurança, na sequência de uma série de ataques registados recentemente na Turquia.

"A embaixada britânica em Ancara vai encerrar ao público na sexta-feira, 16 de setembro, por motivos de segurança", refere um comunicado, sem fornecer mais detalhes.

À semelhança da maioria das missões estrangeiras na Turquia, a embaixada britânica esteve encerrada para serviços consulares no feriado islâmico do Eid al-Adha que se iniciou na segunda-feira. Mas deveria reabrir na sexta-feira após o fim dos feriados oficiais.

A Turquia tem sido atingida este ano por uma série de ataques atribuídos a grupos 'jihadistas' e aos militantes curdos. As missões estrangeiras encerraram nessas ocasiões, também por motivos de segurança.

Em paralelo, a embaixada alemã em Ancara referiu que as suas representações na Turquia "vão fornecer serviços limitados até sexta-feira" e "permanecer encerradas para encontros ou reuniões", sem adiantar pormenores.

Em novembro de 2003, em Istambul, bombistas suicidas detonaram os seus veículos armadilhados no consulado britânico e no edifício do banco HSBC, com sede em Londres. O cônsul-geral britânico, Roger Short, foi uma das vítimas dos ataques reivindicados pela Al-Qaida e que provocaram nos dois locais 27 mortos e 400 feridos.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão