sicnot

Perfil

Mundo

Ferro Rodrigues e homólogos dos países do Sul defendem agenda comum e união de forças

O Presidente da Assembleia República, Ferro Rodrigues, e os homólogos de França, Itália, Espanha, Grécia, Malta e Chipre acordaram esta quinta-feria quanto à elaboração de uma agenda comum, defendendo ser preciso "unir forças para tornar a União Europeia mais forte".

À margem da Conferência Europeia dos Presidentes dos Parlamentos do Conselho da Europa, que começou quarta-feira e termina sexta-feira em Estrasburgo, Ferro Rodrigues participou num encontro informal com os representantes de mais seis países, tendo "discutido os muitos desafios comuns que os países mediterrânicos do Sul da Europa enfrentam, incluindo as migrações e as questões económicas, bem como a necessidade de unir forças para tornar a União Europeia mais forte".

"Os presidentes acordaram em desenvolver ainda mais as prioridades estabelecidas recentemente ao nível dos Chefes de Estado e de Governo, com vista à elaboração de uma agenda comum", refere uma nota enviada à agência Lusa pelo gabinete de Ferro Rodrigues.

Para além do presidente da Assembleia da República portuguesa, estiveram nesta reunião informal os Presidentes da Câmara dos Representantes da República do Chipre, Demetris Syllouris, da Assembleia Nacional de França, Claude Bartolone, do Parlamento da Grécia, Nikolaos Voutsis, da Câmara dos Deputados de Itália, Laura Boldrini, da Câmara dos Representantes de Malta, Angelo Farrugia, e do Senado de Espanha, Pío García-Escudero Márquez.

Os sete presidentes apoiam ainda "iniciativas conjuntas para o aprofundamento da cooperação ao nível parlamentar", conforme aquelas que foram recentemente pelos presidentes das comissões parlamentares de Negócios Estrangeiros e de Defesa, em Bratislava.

Para além de acordar a promoção de uma outra reunião num futuro próximo, os presidentes decidiram ainda associar os objetivos que estabeleceram ao objetivo mais amplo da declaração "Uma maior integração europeia: o caminho a percorrer", assinada em abril, em Roma, pelos presidentes de 15 Assembleias Parlamentares de 13 Estados-Membros da União Europeia.

Lusa

  • Governo prepara projeto para suavizar transição para a reforma
    1:38

    Economia

    O Governo quer suavizar a transição do trabalho para a reforma. A ideia é que essa passagem seja feita gradualmente e não de um dia para o outro, o que pode ser mais traumático. O projeto prevê a possilidade de o trabalhador cumprir meio horário e acumular com meia pensão.

  • Portugal pode perder parte dos fundos comunitários
    2:21

    Economia

    Portugal arrisca-se a perder parte dos fundos comunitários atribuídos ao país, se não acelerar a execução dos programas que têm comparticipação de Bruxelas. A notícia é avançada pelo jornal Público, que revela que o país ainda está longe de cumprir as metas mínimas. O Executivo desdramatiza e acredita que serão cumpridas até ao final do ano. O Governo diz mesmo que Portugal deverá ser um dos países com melhores taxas de execução.

  • Proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causas do Alzheimer
    2:33

    País

    Uma proteína tóxica que se acumula no cérebro pode ser uma das causadoras do Alzheimer. A revelação, feita pelo prémio Nobel da Medicina de 2014, será discutida no terceiro dia da cimeira mundial sobre doenças neurodegenerativas na Fundação Champalimaud, em Lisboa. A partir de hoje, serão apresentadas novidade nas investigações científicas sobre a epidemia silenciosa, que atinge 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

  • Primeiro discurso de Costa na ONU alinhado com o de Guterres

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, proferirá hoje o seu primeiro discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, devendo estar muito alinhado com a agenda política apresentada na terça-feira pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, valorizando o multilateralismo.

  • Habitantes da favela da Rocinha temem novo episódio violento
    2:54

    Mundo

    Localizada no Rio de Janeiro, a Rocinha, maior favela do Brasil, foi palco de um tiroteio entre traficantes, no último fim de semana. Agora, pelo terceiro dia consecutivo, a polícia do Rio de Janeiro está a fazer um cerco em algumas favelas cariocas à procura de traficantes. A comunidade está assustada e receia que episódios violentos como este se repitam.