sicnot

Perfil

Mundo

ONU exorta regime sírio a autorizar imediatamente ajuda humanitária

O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, instou esta quinta-feira o regime sírio a autorizar "imediatamente" a distribuição de ajuda humanitária no país, considerando "particularmente lamentável" que se esteja a "perder tempo" nesta matéria.

As Nações Unidas receberam autorização do governo síria a 06 de setembro para distribuir ajuda humanitária nas localidades sitiadas de Madaya, Zabadani, Foua, Kefraya e Mouadamiyat Al-Cham.

No entanto, declarou Staffan de Mistura, a ONU "precisa agora de uma autorização final". E precisa dela imediatamente, acrescentou o responsável aos meios de comunicação social, no final de uma reunião de trabalho sobre ajuda humanitária na Síria. "É particularmente lamentável, estamos a perder tempo", lamentou.

A Rússia concorda connosco neste ponto", realçou Staffan de Mistura, reiterando que os russos - que apoiam o regime sírio - estão dececionados.

A ONU espera poder encaminhar ajuda humanitária na sexta-feira para a zona a leste de Alepo, onde - segundo a organização - vivem entre 250 e 275 mil pessoas em bairros rebeldes sitiados, indicou Jan Egeland, que dirige o grupo de trabalho sobre a ajuda.

Staffan de Mistura explicou que no caso de Alepo, a ONU não precisa de uma autorização final para fazer chegar ajuda humanitária, uma vez que existe um sistema no qual as Nações Unidas simplesmente notificam o governo sírio da chegada de colunas humanitárias através da rota do Castello, um eixo a norte da cidade.

A frágil trégua nos combates na Síria entrou em vigor na segunda-feira e foi prolongada por 48 horas pelos norte-americanos e russos, mas a ajuda humanitária prometido e há muito aguardada ainda não foi distribuída.

Staffan de Mistura explicou ainda que este acordo prevê a desmobilização militar ao longo da rota do Castello e a criação de um "ponto de controlo".

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.