sicnot

Perfil

Mundo

Portugueses a bordo de barco que explodiu em Bali estão bem

© Antara Foto Agency / Reuters

Uma pessoa morreu e pelo menos 13 ficaram feridas hoje na sequência da explosão no motor de um barco com turistas ao largo da ilha indonésia de Bali. A bordo estavam quatro portugueses que saíram ilesos, ao contrário das primeiras informações.

Última atualização às 11:21

Depois de uma primeira informação que dava conta de portugueses entre os feridos, Vítor Pinto, assessor da secretaria de Estados das Comunidades confirmou à SIC que que saíram ilesos não há vítimas de nacionalidade portuguesa.

Eram quatro portugueses seguiam a bordo da embarcação mas estão ilesos, informou também a secretaria de Estados das Comunidades, acrescentando que já regressaram a Bali.

Os feridos serão provenientes da Alemanha, Grã-Bretanha, Austrália e Coreia do Sul, segundo as primeiras informações facultadas pela polícia de Bali.

Uma pessa morreu, de nacionalidade alemã. A Reuters chegou a avançar a existência de outra vítima mortal, mas corrigiu entretanto a informação.

A France Press adianta a existência de 14 feridos, a Associated Press indica que são cerca de 20.

O barco transportava 35 passageiros, todos turistas, e quatro membros da tripulação.

A explosão ocorreu no motor pouco depois de o barco ter partido de Bali com destino às ilhas Gili, declarou o chefe da polícia do distrito de Karang Asem, Sugeng Sudardso, à agência noticiosa francesa AFP.

A polícia está a interrogar o comandante da embarcação.

Com Lusa

  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões de animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Gilberto Gil cancela atuação em Israel

    Cultura

    O músico brasileiro Gilberto Gil cancelou a atuação que tinha marcada para Telavive, em Israel, no dia 4 de julho, na sequência de protestos em Gaza durante os quais o exército daquele país matou 60 palestinianos.