sicnot

Perfil

Mundo

Turquia planeia construir 174 novas prisões devido ao aumento de detidos

A Turquia planeia construir 174 estabelecimentos prisionais nos próximos cinco anos para fazer face ao "aumento inesperado do número de reclusos", anunciou esta quinta-feira o Ministério da Justiça turco em comunicado.

Segundo o diário Hürriyet Daily News, as prisões turcas estão sobrelotadas pelos milhares de pessoas detidas por suspeita de estarem ligadas às redes do líder religioso Fethullah Gülen, acusado de estar por detrás da tentativa de golpe de Estado de 15 de julho.

Os centros penitenciários planeados teriam em conjunto capacidade para mais de cem mil presos.

No dia 17 de agosto, o Governo turco abriu caminho, com um decreto ao abrigo do estado de emergência, para dar liberdade condicional a 38 mil detidos para abrir espaço para os mais de 23 mil detidos na limpeza efetuada sobretudo em instituições estatais.

Em muitos casos "foram metidos seis ou nove presos em celas de dez metros quadrados, pensadas para apenas um recluso", assegurou na altura à Efe um advogados dos acusados, Efkan Albayrak.

Muitos outros estão amontoados em polidesportivos, dependências policiais e até estábulos, segundo foi denunciado pela Amnistia Internacional (AI).

Antes do golpe falhado e da grande onda de detenções que se seguiu, o Partido Republicano do Povo (CHP), da oposição, já havia denunciado a saturação das prisões turcas e o enorme aumento da população prisional.

Desde 2000, altura em que havia 49.500 presos, a população prisional cresceu até aos 179.600, contabilizados em janeiro deste ano, enquanto a população da Turquia só cresceu 24% no mesmo período, disseram à Efe deputados do CHP.

Após o golpe falhado, além das detenções, o Governo expurgou milhares de funcionários públicos por suspeita de estarem ligados à irmandade de Fethullah Gülen, radicado nos Estados Unidos.

Ancara pediu a Washington a detenção e extradição de Gülen.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.