sicnot

Perfil

Mundo

Costa espera que não haja "manobras de última hora" na corrida à ONU

O primeiro-ministro defendeu esta sexta-feira, em Bratislava, que o processo de eleição do futuro secretário-geral das Nações Unidas tem sido "transparente" e revelado António Guterres como o melhor candidato.

"É muito positivo que este processo, pela primeira vez, tenha decorrido de uma forma aberta e transparente, e que os diferentes candidatos se tenham apresentado a tempo e horas, tenham sido submetidos a auscultações públicas, tenham tido que se confrontar num debate televisivo e que a opinião pública mundial tenha podido acompanhar todo este processo", disse António Costa.

Este não é um jogo de bastidores, não é um jogo de manobras diplomáticas", sustentou.

"Não, é uma campanha em que os diferentes candidatos têm vindo a dizer ao mundo ao que se propõem e acho que essa legitimação coletiva das Nações Unidas é muito importante. E seria, digamos, matar completamente este processo se houvesse agora alguma manobra de última hora de aparecer inopinadamente uma candidatura não apresentada devidamente, não submetida ao debate público, que não se confrontou nos debates com todos os outros", disse, questionado sobre a eventual entrada em cena da búlgara Kristalina Georgieva, vice-presidente da Comissão Europeia.

Defendendo que se devem seguir "as regras que estavam definidas", António Costa afirmou que o processo tem permitido mostrar à "opinião pública mundial" quem é que está em melhores condições "para dirigir as Nações Unidas neste momento tão desafiante para o mundo".

"Acho que é um motivo de orgulho para todos nós verificar que, em quatro votações consecutivas, os membros do Conselho de Segurança foram claros na resposta: é António Guterres", vincou.

Questionado se vai aproveitar a cimeira informal em Bratislava, na Eslováquia, que junta 27 chefes de Estado e de Governo da União Europeia, entre os quais alguns que já manifestaram apoio a uma eventual candidatura de Georgieva, António Costa disse que o Governo tem abordado a questão "quer nestas instâncias, quer noutras instâncias", e disse que aquilo que deseja "é que rapidamente as Nações Unidas possam concluir este processo, que para já tem revelado que há um candidato que reúne um grande consenso e praticamente nenhuma oposição relevante".

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.