sicnot

Perfil

Mundo

Costa espera que não haja "manobras de última hora" na corrida à ONU

O primeiro-ministro defendeu esta sexta-feira, em Bratislava, que o processo de eleição do futuro secretário-geral das Nações Unidas tem sido "transparente" e revelado António Guterres como o melhor candidato.

"É muito positivo que este processo, pela primeira vez, tenha decorrido de uma forma aberta e transparente, e que os diferentes candidatos se tenham apresentado a tempo e horas, tenham sido submetidos a auscultações públicas, tenham tido que se confrontar num debate televisivo e que a opinião pública mundial tenha podido acompanhar todo este processo", disse António Costa.

Este não é um jogo de bastidores, não é um jogo de manobras diplomáticas", sustentou.

"Não, é uma campanha em que os diferentes candidatos têm vindo a dizer ao mundo ao que se propõem e acho que essa legitimação coletiva das Nações Unidas é muito importante. E seria, digamos, matar completamente este processo se houvesse agora alguma manobra de última hora de aparecer inopinadamente uma candidatura não apresentada devidamente, não submetida ao debate público, que não se confrontou nos debates com todos os outros", disse, questionado sobre a eventual entrada em cena da búlgara Kristalina Georgieva, vice-presidente da Comissão Europeia.

Defendendo que se devem seguir "as regras que estavam definidas", António Costa afirmou que o processo tem permitido mostrar à "opinião pública mundial" quem é que está em melhores condições "para dirigir as Nações Unidas neste momento tão desafiante para o mundo".

"Acho que é um motivo de orgulho para todos nós verificar que, em quatro votações consecutivas, os membros do Conselho de Segurança foram claros na resposta: é António Guterres", vincou.

Questionado se vai aproveitar a cimeira informal em Bratislava, na Eslováquia, que junta 27 chefes de Estado e de Governo da União Europeia, entre os quais alguns que já manifestaram apoio a uma eventual candidatura de Georgieva, António Costa disse que o Governo tem abordado a questão "quer nestas instâncias, quer noutras instâncias", e disse que aquilo que deseja "é que rapidamente as Nações Unidas possam concluir este processo, que para já tem revelado que há um candidato que reúne um grande consenso e praticamente nenhuma oposição relevante".

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.