sicnot

Perfil

Mundo

Equador ratifica a vigência do asilo concedido a Julian Assange

O Governo equatoriano ratificou esta sexta-feira o asilo concedido há quatro anos ao fundador do portal Wikileaks, Julian Assange, depois de se saber que um tribunal de recurso sueco manteve a ordem de detenção emitida em 2010 contra o australiano.

Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores anunciou que o Tribunal da Relação de Estocolmo negou a Assange -- asilado desde 2012 na embaixada do Equador em Londres -- o seu pedido de levantamento da ordem de detenção.

Relativamente a esta decisão, o Governo do Equador reiterou a "validade das conclusões e recomendações" emitidas pelo Grupo de Trabalho sobre detenções arbitrárias das Nações Unidas, indicou o Ministério das Relações Exteriores em comunicado.

Esse parecer estabelece que Assange "se encontra detido de forma arbitrária, e que deve ser libertado imediatamente", acrescenta.

O ministério recordou que desde junho de 2012, o Governo do Equador tem tomado iniciativas "para assegurar o devido processo, evitar atrasos desnecessários e alcançar uma solução satisfatória para todas as partes".

Em várias ocasiões -- acrescentou -- o Governo equatoriano propôs à Suécia vias alternativas para avançar com as diligências.

No comunicado, o ministério afirmou que "fiel à sua larga tradição de defesa dos direitos humanos, em particular os das vítimas de perseguição política, o Equador ratifica a vigência do asilo concedido a Julian Assange há quatro anos".

O Equador "reafirma a sua intenção de salvaguardar a sua integridade física e a sua vida até que o asilado chegue a um lugar seguro", concluiu.

Em Copenhaga, foi noticiado hoje que a decisão do Tribunal da Relação reafirma a decisão de há quatro meses de um tribunal inferior, que declarou que Assange continua a ser suspeito e que existe o risco de querer evitar um julgamento ou uma hipotética pena.

Os advogados de Assange anunciaram, numa declaração em Londres, que o australiano irá recorrer da decisão.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.