sicnot

Perfil

Mundo

Tribunal espanhol condena a prisão pai que sacudiu violentamente o filho bebé

Um tribunal espanhol condenou esta sexta-feira a 15 meses de prisão um pai que provocou lesões neurológicas graves ao filho bebé ao sacudi-lo violentamente porque não parava de chorar, noticiou a agência EFE.

O tribunal considerou o homem autor de um crime de ofensa à integridade física por negligência grave e, além da pena de prisão, retirou-lhe o poder paternal por um período de 15 meses e proibiu-o de se aproximar da criança durante três anos.

A Audiência de Cantábria confirmou assim a sentença ditada por um tribunal de Santander, que considerou provado que as sequelas sofridas pela criança -- dificuldades motoras, epilepsia, estrabismo e hidrocefalia -- foram provocadas pelo ato do pai.

Os factos ocorreram a 10 de julho de 2013, na casa da família, quando o bebé, então com cinco meses e dez dias, começou a chorar, lê-se na sentença, hoje publicada.

Incapaz de acalmar o bebé, o pai, que estava sozinho em casa com o filho, sacudiu-o bruscamente, omitindo "as mais elementares normas de diligência exigidas" no cuidado de uma criança daquela idade.

Na manhã seguinte, o bebé tinha vómitos, falta de apetite e hipotonia, e o pai levou-o a um centro médico para que fosse observado.

Nessa altura, foram diagnosticados um traumatismo cranioencefálico, crises epiléticas e hematomas. O bebé esteve hospitalizado dois meses.

O tribunal admitiu que o pai não teve consciência de que o seu ato podia ter consequências tão graves.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.