sicnot

Perfil

Mundo

Emmanuel Macron é o preferido da esquerda nas presidenciais francesas

O ex-ministro da Economia francês Emmanuel Macron é o melhor posicionado para representar a esquerda nas eleições presidenciais de 2017, revela uma sondagem divulgada este sábado.

© Benoit Tessier / Reuters

Macron, que se demitiu do governo socialista em agosto para criar o seu próprio movimento político, "Em Marcha", lidera as intensões de voto (28%) de uma lista que inclui outras cinco personalidades e em que está na última posição o atual Chefe de Estado, o socialista François Hollande, com 8% das intensões de voto dos franceses.

Na sondagem do Instituto Odoxa para a cadeia de televisão "France 2", o líder da extrema-esquerda Jean-Luc Mélenchon surge com 18% das intenções de voto, o socialista Manuel Valls posiciona-se com 17% e os ex-ministros de Hollande, Arnaud Montebourg com 13% e Christiane Taubira com 9%.

Contudo, as percentagens mudam quando se pergunta apenas àqueles que simpatizam com a esquerda.

Neste caso, Mélenchon surge com 24%, à frente de Hollande (18 %), enquanto Macron vê reduzido o seu apoio para 15%.

Macron, no entanto, não confirmou abertamente a sua intenção de concorrer à presidência francesa em 2017 e Hollande diz que decidirá em dezembro se concorrerá ou não às eleições primárias da esquerda que se realizam em janeiro do próximo ano.

As eleições primárias do centro direita para eleger o candidato ao Eliseu, nas quais participam, entre outros, o ex-presidente Nicolas Sarkozy, de 61 anos, decorrerão entre 20 a 27 de novembro, a primeira e a segunda volta, respetivamente.

A candidata de extrema-direita Marine Le Pen, de 48 anos, líder da Frente Nacional, disse hoje num encontro do seu partido em Fréjus, na França, que a sua campanha presidencial "propriamente dita" não começará antes de fevereiro do próximo ano.

Lusa

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26