sicnot

Perfil

Mundo

Emmanuel Macron é o preferido da esquerda nas presidenciais francesas

O ex-ministro da Economia francês Emmanuel Macron é o melhor posicionado para representar a esquerda nas eleições presidenciais de 2017, revela uma sondagem divulgada este sábado.

© Benoit Tessier / Reuters

Macron, que se demitiu do governo socialista em agosto para criar o seu próprio movimento político, "Em Marcha", lidera as intensões de voto (28%) de uma lista que inclui outras cinco personalidades e em que está na última posição o atual Chefe de Estado, o socialista François Hollande, com 8% das intensões de voto dos franceses.

Na sondagem do Instituto Odoxa para a cadeia de televisão "France 2", o líder da extrema-esquerda Jean-Luc Mélenchon surge com 18% das intenções de voto, o socialista Manuel Valls posiciona-se com 17% e os ex-ministros de Hollande, Arnaud Montebourg com 13% e Christiane Taubira com 9%.

Contudo, as percentagens mudam quando se pergunta apenas àqueles que simpatizam com a esquerda.

Neste caso, Mélenchon surge com 24%, à frente de Hollande (18 %), enquanto Macron vê reduzido o seu apoio para 15%.

Macron, no entanto, não confirmou abertamente a sua intenção de concorrer à presidência francesa em 2017 e Hollande diz que decidirá em dezembro se concorrerá ou não às eleições primárias da esquerda que se realizam em janeiro do próximo ano.

As eleições primárias do centro direita para eleger o candidato ao Eliseu, nas quais participam, entre outros, o ex-presidente Nicolas Sarkozy, de 61 anos, decorrerão entre 20 a 27 de novembro, a primeira e a segunda volta, respetivamente.

A candidata de extrema-direita Marine Le Pen, de 48 anos, líder da Frente Nacional, disse hoje num encontro do seu partido em Fréjus, na França, que a sua campanha presidencial "propriamente dita" não começará antes de fevereiro do próximo ano.

Lusa

  • Família Aveiro na inauguração do Aeroporto Cristiano Ronaldo
    2:34

    País

    A decisão de dar o nome de Cristiano Ronaldo ao aeroporto da Madeira divide opiniões. Contudo, na cerimónia de inauguração desta quarta-feira só se ouviram aplausos. Os madeirenses juntaram-se à porta do aeroporto para ver e receber o melhor jogador do mundo. Também a família do jogador esteve na Madeira para apoiar Ronaldo.

  • A (polémica) mudança de nome do aeroporto da Madeira
    2:00

    País

    O aeroporto da Madeira é desde esta quarta-feira aeroporto Cristiano Ronaldo. O Presidente da República e o primeiro-ministro estiveram juntos na homenagem ao futebolista. A alteração não é consensual entre os madeirenses.

  • O busto de Ronaldo que virou piada no mundo inteiro
    2:04

    País

    No dia em que foi formalizado o novo nome do aeroporto da Madeira, foi também conhecido o busto em bronze de Cristiano Ronaldo e que, desde logo, começou a provocar reações em todo o mundo. As críticas da imprensa internacional não são propriamente positivas e a internet aproveitou para dar contornos humorísticos à criação.

  • Os seus descontos para a Segurança Social estão em ordem?
    7:50
    Contas Poupança

    Contas Poupança

    4ª FEIRA JORNAL DA NOITE

    Os portugueses estão cada vez mais preocupados com a reforma. O valor que se vai receber depende dos descontos que se fizerem para a Segurança Social. Mas há contabilistas que cometem burlas com o dinheiro dos clientes, há esquecimentos, e empresas que deixam de pagar as contribuições por falta de verbas. O Contas Poupança explica-lhe como pode ver neste instante se todos os seus descontos estão nos cofres da Segurança Social, e corrigir algum erro antes que seja tarde demais.

  • "Não há razão para fingirmos que hoje é um dia feliz"
    1:55

    Brexit

    Depois de receber esta quarta-feira a notificação do Brexit, o presidente do Conselho Europeu antecipou negociações difíceis. Donald Tusk diz que agora é preciso minimizar os prejuízos para os cidadãos europeus e para as empresas.

  • "Não há recuo possível"
    2:30

    Brexit

    O processo de saída do Reino Unido da União Europeia começou esta quarta-feira, com a ativação do artigo 50.º do Tratado de Lisboa. A notificação de Theresa May foi feita por carta a Donald Tusk e a primeira-ministra disse que não recuo possível. O processo de negociações levará dois anos e a saída do Reino Unido da União Europeia ficará concluída em 2019.