sicnot

Perfil

Mundo

Bomba norte-americana usada em ataque contra hospital no Iémen

© Reuters

O Hospital dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) no Iémen foi alvo de um atentado onde foi utilizada uma bomba de fabrico norte-americano. A ataque fez 19 mortos e 24 feridos e ocorreu a 15 de agosto, revelou esta segunda-feira a Amnistia Internacional (AI).

De acordo com especialistas em armamento consultados pela AI, que examinaram fotografias feitas por um jornalista no local, uma bomba área de precisão do tipo Paveway foi utilizada no ataque.

O ataque deu origem à abertura de um inquérito pela coligação árabe liderada pela Arábia Saudita que intervém no Iémen em apoio ao governo contra os rebeldes xiitas aliados ao ex-presidente iemenita Ali Abdallah Saleh, que controlam vastas áreas do país, incluindo a capital Sanaa.

"É escandaloso que alguns estados continuem a fornecer à coligação liderada pela Arábia Saudita armas, incluindo bombas aéreas e aviões de combate, apesar das provas evidentes que estas armas são utilizadas para atacar hospitais e outros alvos civis em violação da lei humanitária internacional", declarou num comunicado enviado às redações internacionais Philip Luther, diretor regional de investigação da AI.

A organização de defesa dos direitos humanos com sede Londres apelou a todos os países, "incluindo os Estados Unidos e o Reino Unido, a parar imediatamente o fornecimento de armas suscetíveis de serem utilizadas no conflito iemenita".

A campanha intensiva de raides aéreos que a coligação árabe tem levado a cabo desde há um ano no Iémen não tem poupado alvos civis.

Um terço dos alvos atingidos pelos ataques da coligação são civis e incluem hospitais e escolas, de acordo com a edição da passada sexta-feira do diário britânico The Guardian.

A guerra no Iémen fez já mais de 6.600 mortos desde março de 2015.

Com Lusa

  • Governo vai avaliar situação da associação Raríssimas
    1:41

    País

    O Governo promete avaliar a situação da instituição Raríssimas e agir em conformidade, depois da denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira. A presidente da instituição terá usado dinheiro da Raríssimas para gastos pessoais como vestidos de alta-costura e alimentação. Esta é uma instituição que apoia doentes e famílias que convivem de perto com doenças raras. 

  • Diáconos permanentes: quem são e que cargo ocupam na comunidade católica
    10:04
  • Múmia quase intacta descoberta em Luxor
    1:23

    Mundo

    O Egito anunciou, este sábado, a descoberta de dois pequenos túmulos com 3.500 anos na cidade de Luxor. Foram também encontrados uma múmia em bom estado de conservação, uma estátua do deus Ámon Ra e centenas de artefactos de madeira e cerâmica ou pinturas intactas.