sicnot

Perfil

Mundo

Elefantes destroem vários hectares de cultivo em Angola

Camponeses da província do Cuanza Norte viram nos últimos dias vários hectares de cultivo destruídos por manadas de elefantes, que os habitantes já não conseguem afugentar.

A situação, que ocorre na comuna do Bindo, município de Ambaca, província do Cuanza Norte, foi relatada pelo administrador comunal, Francisco Mabango.

Aquele responsável referiu que a situação é insustentável, na medida em que grupos numerosos daquele mamífero estão a destruir plantações de mandioca, banana, batata-doce, feijão e palmeiras.

De acordo com Francisco Mabango, citado pela agência noticiosa angolana, Angop, o problema está a deixar já algumas famílias sem sustento e sem ânimo para o trabalho.

Além da comuna do Bingo, a situação estende-se também às comunidades de Cazanga, Tonha Ngola e Kilukhuinhi, estando a invasão em expansão para outras localidades da circunscrição.

O administrador comunal solicitou a ajuda das autoridades centrais para a resolução do problema, que é já antigo.

Em 2015, o diretor nacional das Florestas, Domingos Nazaré, anunciou que o Ministério da Agricultura tinha em preparação um plano de mitigação do conflito homem/animal, sobretudo elefantes.

As autoridades admitem que o problema tem abrangência nacional, mas afeta sobretudo as províncias de Cabinda, Uíge, Cunza Norte, Malange, Moxico, Cuando Cubango e Cunene, onde elefantes destroem as plantações, ocasionalmente com episódios de mortes de pessoas.

Lusa

  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.