sicnot

Perfil

Mundo

Elefantes destroem vários hectares de cultivo em Angola

Camponeses da província do Cuanza Norte viram nos últimos dias vários hectares de cultivo destruídos por manadas de elefantes, que os habitantes já não conseguem afugentar.

A situação, que ocorre na comuna do Bindo, município de Ambaca, província do Cuanza Norte, foi relatada pelo administrador comunal, Francisco Mabango.

Aquele responsável referiu que a situação é insustentável, na medida em que grupos numerosos daquele mamífero estão a destruir plantações de mandioca, banana, batata-doce, feijão e palmeiras.

De acordo com Francisco Mabango, citado pela agência noticiosa angolana, Angop, o problema está a deixar já algumas famílias sem sustento e sem ânimo para o trabalho.

Além da comuna do Bingo, a situação estende-se também às comunidades de Cazanga, Tonha Ngola e Kilukhuinhi, estando a invasão em expansão para outras localidades da circunscrição.

O administrador comunal solicitou a ajuda das autoridades centrais para a resolução do problema, que é já antigo.

Em 2015, o diretor nacional das Florestas, Domingos Nazaré, anunciou que o Ministério da Agricultura tinha em preparação um plano de mitigação do conflito homem/animal, sobretudo elefantes.

As autoridades admitem que o problema tem abrangência nacional, mas afeta sobretudo as províncias de Cabinda, Uíge, Cunza Norte, Malange, Moxico, Cuando Cubango e Cunene, onde elefantes destroem as plantações, ocasionalmente com episódios de mortes de pessoas.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19