sicnot

Perfil

Mundo

Agosto foi o mais quente desde há 137 anos

O passado mês de agosto foi o mais quente da era moderna a nível planetário e representou o 16º mês seguido a bater recordes de calor, indicou esta terça-feira a agência norte-americana para os oceanos e a atmosfera.

Trata-se da "mais longa vaga de calor [tanto em superfícies terrestres como marinhas] em 137 anos de registos", indica o relatório mensal sobre clima da Administração Nacional para os Oceanos e Atmosfera (NOAA) dos Estados Unidos.

O relatório da NOAA também indica que as temperaturas do globo ao longo de todo o ano têm sido as mais altas desde que há registos.

A temperatura média anual nas superfícies terrestres e oceânicas aumentou um grau celsius em relação à média de todo o século 20, que era de 14,05 graus. Esta subida para 15,06 bateu a temperatura média de 2015, que foi de 14,90 graus celsius.

Os cientistas especializados em questões de clima dizem que a tendência para o aquecimento global é motivada pelo consumo de combustíveis fósseis, que fazem aumentar os gases com efeito de estufa, concentrando o calor na atmosfera terrestre.

Esta tendência de calor recorde tem vindo a ser exacerbada pelo fenómeno climatérico El Nino, que fez aumentar o calor no Pacífico - na zona do equador - na primeira metade do ano.

Analisando apenas agosto, a temperatura média desse mês foi de 16,53 graus celsius, quase um grau acima da média de todos os agostos do século 20, que foi de 15,61 graus.

"Este valor (16,53 graus) foi o mais alto para um agosto no período registado, 1880 a 2016, ultrapassando o anterior recorde de 2015 em 0,05 graus)", indicou a NOAA.

Tanto a África como a Ásia tiveram temperaturas médias recorde em agosto, sendo ambas as mais altas desde que começaram a contabilizar isoladamente nesse continente, em 1910.

"O calor recorde nos primeiros oito meses do ano registou-se no Alaska, no Oeste do Canadá, na parte norte da América do Sul, África central e sul da África, Europa do Sul, Indonésia e em partes da América Central, das Caraíbas, Norte e Centro da Ásia e na Austrália", explicou a agência norte-americana.

O Bahrain passou pelo segundo agosto mais quente desde 1902, com uma temperatura média de 36,38 graus celsius, ou 2,3 graus celsius acima da média.

Os oceanos, que absorvem muito do calor atmosférico, atingiram a segunda maior temperatura registada.

Outro dos indicadores preocupantes para o planeta é o do recuo do gelo do Ártico.

"A extensão média de gelo do Ártico em agosto foi 23,1 por cento inferior à da média de 1981 a 2010", alertou a NOAA.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.