sicnot

Perfil

Mundo

Ataques aéreos e bombardeamentos na Síria após anúncio do fim da trégua

Reuters

Ataques aéreos e bombardeamentos atingiram várias frentes de batalha na Síria durante a madrugada de hoje, depois de o exército ter anunciado o fim do frágil cessar-fogo, relata a agência AFP.

Na cidade de Alepo, ataques aéreos e fogo de artilharia atingiram zonas controladas pelos rebeldes até às 02:00 (meia-noite em Lisboa), observou um correspondente da agência.

Na manhã de hoje, ouvia-se o som de explosões intermitentes pela cidade.

A AFP descreve ainda o som de bombardeamentos na zona oeste da cidade, controlada pelo governo.

Alepo, tal como a maioria das zonas de batalha na Síria, esteve pela primeira vez relativamente calma desde que foi acordada uma trégua, mediada por Washington e Moscovo, a 12 de setembro.

No entanto, a violência voltou na semana passada, culminando num fim de semana de letais ataques aéreos em Alepo e uma ofensiva liderada pelos Estados Unidos que matou vários soldados sírios que combatiam o Estado Islâmico.

Os combates intensificaram-se também nos subúrbios de Damasco, controlados pelos rebeldes, onde o exército anunciou uma grande operação militar na segunda-feira, horas depois de ter sido anunciado o fim do cessar-fogo.

Fogo de artilharia atingiu também a cidade de Talbisseh, controlada por rebeldes, segundo o ativista Hassaan Abu Nuh.

Na província de Idlib (noroeste), o ativista Nayef Mustafa descreveu como os aviões circularam em torno da cidade de Salqin, controlada pelo antigo afiliado da Al-Qaida, juntamente com rebeldes islâmicos.

O acordo de trégua era visto como a melhor oportunidade para pôr fim a mais de cinco anos de conflito, em que mais de 300 mil pessoas morreram.

O exército declarou o fim do cessar-fogo na segunda-feira.

Horas depois, uma coluna que transportava ajuda humanitária destinada a civis da província de Alepo foi atingida por um ataque aéreo, matando 12 voluntários da organização Crescente Vermelho e destruindo pelo menos 18 camiões.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.