sicnot

Perfil

Mundo

EUA avançam com regulação de carros sem condutor

© Aaron Josefczyk / Reuters

Os Estados Unidos revelaram na segunda-feira o enquadramento regulatório para a tecnologia que permite a circulação de carros sem condutor, dias depois de a Uber ter apresentado os seus primeiros táxis auto-conduzidos.

O secretário para os Transportes norte-americano, Anthony Foxx, informou que o Governo federal tenciona fixar os padrões de segurança para os carros do futuro, em que não há qualquer humano envolvido na condução.

Anunciando um avaliação de 15 pontos do sistema de carros sem condutor, Foxx sublinhou que o Governo quer trabalhar com fabricantes e gigantes tecnológicos como a Uber e a Alphabet (Google).

O projeto foi apoiado pelo Presidente Barack Obama, que escreveu um artigo sobre o assunto no The Pittsburgh Post-Gazette.

"Neste momento, demasiadas pessoas morrem nas nossas estradas -- 35.200 só no ano passado -- com 94% desses [acidentes] a resultar de erro humano ou escolha", escreveu o chefe de Estado.

"Os veículos automáticos têm o potencial de salvar dezenas de milhares de vidas todos os anos. E neste momento, para muitos cidadãos idosos e norte-americanos com deficiências, conduzir não é uma opção. Os veículos automáticos podem mudar as suas vidas", sublinhou.

Lusa

  • Carros sem condutor?
    6:53

    Mundo

    Engenheiros israelitas estão a desenvolver um carro do futuro. Muitos acreditam que, em menos de uma década, ​parte dos automóveis que estiverem a circular em todas as estradas do mundo serão autónomos, ou seja, não será preciso aprender a conduzir, já que o computador integrado substituirá o condutor, o que poderá reduzir drasticamente o número de acidentes. O correspondente da SIC, Henrique Cymerman, viajou num destes carros, na autoestrada entre Jerusalém e Telavive.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.