sicnot

Perfil

Mundo

Pai do suspeito de participar nas explosões nos EUA já tinha falado com FBI

O pai do homem acusado de participar nos recentes atentados em Nova Iorque e em Nova Jersey, Amhmad Khan Rahami, já tinha informado as autoridades que o seu filho era terrorista, refere esta terça-feira a imprensa norte-americana.

Em 2014, Mohammed Rahami, pai de Amhmad Khan Rahami, fez uma denúncia contra o seu filho junto de agentes federais que a transferiram para o Grupo de Intervenção contra o Terrorismo do FBI (polícia federal norte-americana) em Newark.

Os agentes interrogaram o pai de Amhmad Khan Rahami por duas vezes, mas no segundo interrogatório Mohammed Rahami retirou a acusação, alegando que estava "chateado" com o filho.

Hoje, aos jornalistas, Mohammed Rahami voltou a insistir que chamou o FBI "há dois anos".

Questionado sobre se o seu filho é um terrorista, mostrou de novo incongruências, sublinhando que o filho não é terrorista e que o FBI sabe.

Amhmad Khan Rahami foi detido segunda-feira, depois de um tiroteio na cidade de Linden, no estado de Nova Iorque, horas depois de as autoridades divulgarem a sua imagem por alegado envolvimento nas explosões ocorridas durante o fim de semana.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.