sicnot

Perfil

Mundo

Rússia e regime sírio negam ataque aéreo contra coluna humanitária

© Ammar Abdullah / Reuters

O ministério da Defesa da Rússia garantiu hoje que nem a sua aviação nem a aviação síria atacaram na segunda-feira uma coluna de ajuda humanitária na Síria, levantando dúvidas sobre se os veículos terão sequer sido atacados pelo ar.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) e o Crescente Vermelho deram conta na segunda-feira de um ataque aéreo contra uma coluna humanitária perto de Auram al Kubra, a oeste da província síria de Alepo, no qual 18 camiões carregados com alimentos e medicamentos foram destruídos por aviões não identificados. Os camiões atingidos faziam parte de uma coluna de 31 veículos da ONU e do Crescente Vermelho sírio, que iam entregar ajuda a 78 mil pessoas em Orum al-Koubra, precisou o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric.

O governo dos Estados Unidos responsabilizou hoje a Rússia pelo ataque aéreo, apelidando-o de "bombardeamento".

"A aviação russa e a aviação síria não lançaram qualquer ataque aéreo contra uma coluna humanitária da ONU a sudoeste de Alepo", declarou o general Igor Konachenkov, porta-voz do ministério num comunicado citado pelas agências russas.

O general lançou dúvidas sobre se a coluna terá sido atacada pelo ar. "Estudamos atentamente as imagens de vídeo dos supostos 'ativistas' presentes no local e não encontramos quaisquer sinais de impactos de armas na coluna", realça o ministério.

"Não há crateras, a estrutura dos veículos não está danificada e não sofreram o sopro [da explosão] de um ataque aéreo", concluiu.

Para as forças armadas russas, estas imagens de vídeo do ataque - que não captadas pelo exército russo - não mostram mais do que "o resultado de um incêndio, que - como por acaso - começou no momento em que foi desencadeada uma forte ofensiva dos rebeldes sobre Alepo".

Segundo as forças russas, os combatentes da Frente Fateh al-Cham (ex-Frente al-Nosra) lançaram uma iniciativa na segunda-feira perto de Alepo, "apoiada por intenso fogo de artilharia e de tanques, bem como lança-róquetes múltiplos de diversos modelos".

Anteriormente o Kremlin tinha anunciado que o exército russo abriu um inquérito sobre este tema.

Vinte civis e um elemento do Crescente Vermelho sírio morreram no ataque contra a coluna humanitária. Hoje a ONU suspendeu as suas colunas humanitárias, na sequência do ataque de segunda-feira.

Também o exército sírio negou hoje, pouco depois de o russos o terem feito, que a sua aviação tenha bombardeado a coluna.

O chefe do departamento da ajuda humanitária da ONU, Stephen O'Brien, declarou hoje que se se comprovar que o ataque contra a coluna humanitária foi um "ato deliberado", então poderá constituir "um crime de guerra".

Lusa

  • Pelo menos 12 mortos em ataque a coluna humanitária da ONU
    2:19

    Mundo

    Uma coluna de ajuda humanitária foi atingida por ataques aéreos a poucos quilómetros de Aleppo, na Síria. Pelo menos 12 voluntários morreram, naquele que foi o primeiro grande ataque depois do fim do cessar fogo negociado entre Rússia e Estados Unidos. As Nações Unidas expressaram indignação perante o ataque a avisaram que se tiver sido intencional, representa um crime de guerra.

  • ONU suspende ajuda humanitária na Síria

    Mundo

    As Nações Unidas anunciaram que vão suspender toda a ajuda humanitária na Síria depois de camiões da ONU terem sido alvo de um ataque aéreo, próximo de Aleppo. A coluna humanitária tinha as autorizações necessárias, também a Rússia e os Estados Unidos tinham sido notificados, informou um porta-voz da ONU.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.