sicnot

Perfil

Mundo

Síria acusa Ban Ki-moon de se afastar da carta da ONU

O ministério dos Negócios Estrangeiros sírio atacou esta terça-feira o secretário-geral da ONU, acusando-o de "se afastar" da carta das Nações Unidas, após declarações de Ban Ki-moon considerando Damasco responsável pela morte do maior número de civis.

"As afirmações de Ban Ki-moon hoje, sobre a Síria, estão muito afastadas das disposições da carta da ONU, que devem ser respeitadas por quem ocupa o cargo de secretário-geral", defendeu o ministério sírio em comunicado citado pela agência oficial Sana.

"Durante o mandato de Ban Ki-moon, as Nações Unidas afastaram-se do seu papel de procurar soluções para os problemas internacionais e não conseguiram resolver qualquer conflito", lê-se no texto.

Algumas horas antes, na sessão anual da Assembleia-Geral da ONU, Ban Ki-moon tinha criticado os múltiplos protagonistas que "alimentam a máquina da guerra" na Síria.

"Muitos grupos mataram civis inocentes mas nenhum matou tantos como o Governo sírio, que continua a utilizar barris de explosivos em áreas residenciais e a torturar sistematicamente prisioneiros", declarou.

A ONU anunciou hoje a interrupção das suas operações de encaminhamento de ajuda humanitária por camiões na Síria, um dia depois de ataques aéreos às suas colunas, que custaram a vida a 20 civis e um responsável do Crescente Vermelho sírio.

Ban Ki-moon classificou o ataque como "repugnante, selvagem e aparentemente deliberado", apesar de a ONU não ter dito de onde provinham os aviões bombardeiros.

A oposição síria apontou o dedo ao regime sírio e à sua aliada Rússia, mas Damasco e Moscovo negaram veementemente.

O conflito sírio é a guerra com mais mortos atualmente em todo o mundo: fez mais de 300.000 mortos e obrigou à fuga de milhões de sírios.

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Cozido ou empanadas chilenas para o jantar?
    5:20

    Taça das Confederações

    Portugal e Chile defrontam-se esta quarta-feira em jogo das meias-finais da Taça das Confederações. O jornalista Gonçalo Azevedo Ferreira fala sobre as previsões da imprensa chilena para o encontro, revela alguns dados sobre as presenças de Portugal e Chile em grandes competições e mostra, através das redes sociais, o lado mais descontraído da antevisão deste duelo.

  • Portugal vai pagar 3.500 milhões ao FMI até agosto
    1:18

    Economia

    Portugal vai pagar, até agosto, 3.500 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional. Mil milhões seguem já na sexta-feira. A antecipação do pagamento foi esta quarta-feira formalmente autorizada pelos parceiros e credores europeus.

  • Trump volta a criticar as chamadas "fake news"

    Mundo

    O Presidente norte-americano voltou a criticar aquilo a que chama de "fake news", em português "notícias falsas". Através da rede social twitter, Donald Trump diz que o jornal New York Times "nem sequer liga para verificar os factos e que, por isso, dá notícias falsas".

  • Família Obama de férias na Indonésia

    Mundo

    Das águas claras de Bali aos encantos dos templos de Java, o antigo Presidente norte-americano Barack Obama levou a esposa e as filhas de férias numa aventura de (re)descobertas por um país onde Obama viveu durante quatro anos da sua infância.

    SIC

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.