sicnot

Perfil

Mundo

Uma estranha forma de contrair salmonela

© Gary Cameron / Reuters

Um recente estudo norte-americano dá conta de uma estranha forma de contrair salmonela. A criação de galinhas é uma atividade em crescimento nos Estados Unidos, o que levou os investigadores a admitir a possibilidade da doença ser transmitida através de um contacto muito próximo entre estas aves e os humanos.

O Centro para o Controlo e Prevenção de Doenças verificou um aumento do número de casos de salmonela em pessoas que se dedicavam à criação destas aves. Os cientistas concluíram que, nos casos estudados entre 1990 e 2014, 13% estavam relacionados com o estranho hábito de alguns humanos beijarem as suas galinhas.

"A maioria dos contactos ocorria em casa dos pacientes, os comportamentos de alto risco incluíam o facto de as galinhas serem mantidas dentro de casa, estabelecendo uma relação muito próxima, incluindo abraçar e beijar as aves", refere o centro norte-americano que realizou a investigação.

A afinidade com estes animais parece em alguns dos casos estudados atingir contornos um tanto bizarros. Diversos pacientes interrogados admitiram que a proximidade vai além do beijo, 46% dizem que têm as galinhas em casa e 10% assumem até que as mantêm nas suas próprias camas.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão