sicnot

Perfil

Mundo

Allo, WhatsApp?

A Google lançou hoje o Allo, uma aplicação de mensagens instantâneas para concorrer com a WhatsApp, detida pelo Facebook. Promete fazer reservas em restaurantes e responder automaticamente a mensagens.

A aplicação está disponível nos telemóveis com sistema operativo iOS e Android e funciona associado a um número de telefone, oferecendo ao utilizador a possibilidade de procurar informação sem sair da conversação.

No futuro, o serviço Allo vai permitir fazer diretamente reservas de restaurantes, hotéis e bilhetes de avião ou comboio.

Para utilizar o assistente virtual, o utilizador apenas tem de escrever ou mencionar "@google".

Atualmente, a interação apenas está disponível em inglês, embora a multinacional norte-americana adiante que vai disponibilizar o serviço em outras línguas, em breve.

O serviço Allo tinha sido anunciado pela Google em maio, na mesma altura em que divulgou a Google Duo, uma aplicação para chamadas de vídeo.

A aplicação vai concorrer com o WhatsApp, que anunciou que no final do ano vai deixar de estar disponível nos telemóveis com versões mais antigas do Android, Windows Phone e no BlackBerry.

Também a Apple está apostar nesta área, melhorando a sua aplicação de mensagens instantâneas na semana passada.

A WhatsApp foi adquirida pelo Facebook por cerca de 20 mil milhões de dólares (cerca de 17,8 mil milhões de euros, à taxa de câmbio atual) em 2014.

Com Lusa

  • Rui Santos revela novos e-mails que envolvem o Benfica
    1:52
    Tempo Extra

    Tempo Extra

    3ª FEIRA 23:00

    No programa da SIC Notícias Tempo Extra, Rui Santos revelou esta terça-feira que o blogue de Hugo Gil, associado ao Benfica, partilhou informação privilegiada da APAF (Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol) com várias figuras do clube da Luz.

  • "É preciso namorar bem para que o namoro dê certo"
    2:31
  • Governo vai proibir refeições nos monumentos com estatuto de panteão
    0:53

    País

    O Governo vai acabar com as refeições no Panteão Nacional e em edifícios com estatuto semelhante, como os mosteiros dos Jerónimos e da Batalha. A decisão foi anunciada esta terça-feira pelo ministro da Cultura, no Parlamento. Luís Filipe Castro Mendes esclareceu que a decisão surge no âmbito da revisão do regulamento sobre os monumentos.

  • O Futuro Hoje na maior feira eletrónica de consumo do mundo
    5:14