sicnot

Perfil

Mundo

China apoia candidato "mais capaz" para liderar ONU

A China disse hoje que deve ser o candidato "mais capaz" a substituir Ban Ki-moon como secretário-geral da ONU, no final do ano, face às informações que apontam a búlgara Irina Bokova como a favorita de Pequim.

"A ONU está a analisar as candidaturas e a China vai trabalhar com os outros países para assegurar que é o (candidato) mais capaz a assumir o cargo", sublinhou hoje Lu Kang, porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, numa conferência de imprensa em Pequim.

Rejeitando referir qualquer candidato, Lu afirmou que Pequim "crê que a decisão deve ser baseada no consenso, como consta na Carta das Nações Unidas, e o secretário ou secretária-geral deve ser alguém capaz de cumprir com as suas obrigações".

O jornal de Hong Kong South China Morning Post assinala hoje que Irina Bokova, a diretora-geral da UNESCO, é a candidata favorita de Pequim, com base na opinião de analistas chineses, que a consideram "alguém que não atuaria a favor dos interesses de nenhuma país em particular".

O ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, reuniu-se com Bokova no passado mês de junho.

A costa-riquenha Christiana Figueres, que desistiu da corrida na semana passada, foi também recebida por Wang Yi, e outros líderes chineses, em julho.

Já o ex-primeiro-ministro português António Guterres, que é considerado o favorito à liderança da organização, após ter ficado à frente em todas as quatro votações secretas ocorridas entre os membros do Conselho de Segurança da ONU, esteve na capital chinesa em maio, mas foi recebido pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros Li Baodong, segundo informações no ?site' do ministério.

Na mais recente votação, Guterres teve 12 votos "encoraja", dois "desencoraja" e um "sem opinião".

Lu recusou revelar o candidato preferido por Pequim, e limitou-se a dizer que o cargo de secretário-geral "implica uma grande responsabilidade".

Bokova é também apontada como a favorita da Rússia, o principal aliado da China em grande parte dos assuntos internacionais.

Lusa

  • Marcelo aproveita discurso na ONU para dar impulso à candidatura de Guterres
    2:54

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa discursou na Assembleia-geral das Nações Unidas. Entre paz e refugiados, o Presidente da República aproveitou o discurso para dar um impulso à candidatura de António Guterres a secretário-geral da ONU. Marcelo defendeu que o novo secretário-geral deve ser "um congregador de espíritos e de vontades", na linha de Gandhi e Mandela.

  • Marcelo quer secretário-geral da ONU na linha de Gandhi e Mandela
    1:05

    País

    O Presidente da República deixou na Assembleia-geral das Nações Unidas uma mensagem de apoio à candidatura de António Guterres. Sem referir o nome do ex-primeiro-ministro, Marcelo fez votos para que o perfil do próximo secretário-geral seja de alguém conciliador e com capacidade de liderança, na linha de Gandhi e Mandela. Esta foi a primeira vez enquanto chefe de Estado de Portugal, que Marcelo se dirigiu a esta assembleia em Nova Iorque.

  • "Joguem à bola"
    1:35

    Desporto

    Cerca de uma centena de adeptos do Sporting esperaram até perto das 3:00 pela chegada da equipa ao estádio de Alvalade. Depois da eliminação da Taça de Portugal, em Chaves, foi necessário o reforço policial para garantir a segurança da comitiva leonina.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • Obama encurta pena de delatora do Wikileaks
    1:45
  • Putin sai em defesa de Trump
    2:29

    Mundo

    Vladimir Putin já saiu em defesa de Donald Trump e diz que houve uma tentativa de minar o Presidente eleito dos Estados Unidos, através de um alegado relatório, atribuido à espionagem russa. Putin diz que o relatório é falso.