sicnot

Perfil

Mundo

Erro informático permitiu acesso a todos os sites da Coreia do Norte

A Coreia do Norte permitiu, acidentalmente, o acesso do exterior a todos os websites do país. Segundo o jornal The Guardian, o incidente ocorreu devido a um erro informático de má configuração. A fuga de dados veio permitir saber que existem apenas 28 páginas de internet baseados na Coreia do Norte. A maioria está escrita em coreano mas há sites com versões em inglês.

Há uma rede social, um site de receitas e muita propaganda. Apresentam uma construção muito básica e são lentos a carregar. Normalmente, o servidor norte-coreano está configurado para rejeitar os pedidos de acesso do exterior. Na Coreia do Norte, até para se ter um computador é necessária autorização do Governo.

Alegadamente revelada por um engenheiro norte-americano, a lista revela menos de 30 websites. Como era previsível, existe muita propaganda e informação sobre o Ministério e o Turismo. Mas não só. Os cidadãos do país podem encontrar receitas norte-coreanas e filmes.

Talvez por erro da Coreia do Norte ou por sorte do engenheiro norte-americano, ele conseguiu aceder a uma página onde continha todos os websites do país. Martyn Williams, um especialista sobre o país, explicou os três pontos da internet na Coreia do Norte.

1. Existem muitas notícias sobre "As Atividades Supremo Líder"

A maior parte das páginas de internet estão em coreano, mas no caso do jornal Rodong Sinum, existe também uma página em inglês. Neste site pode ser encontrada uma secção dedicada ao líder do país, Kim Jong-un, chamada "As Atividades do Supremo Líder".

Kim Jong-un

Kim Jong-un

© KCNA KCNA / Reuters

2. As páginas de internet são pouco sofisticadas

Muitos dos sites, para além de demorarem muito a carregar, são básicos. Os sites de notícias não são atualizados com frequência nem têm material exclusivo, vindo quase tudo da agência de notícias oficial do país.

3. A internet na Coreia do Norte mostra que o país quer mostrar o seu lado cultural

Um site de comida está cheio de imagens das "mais famosas receitas coreanas". Nesta página, existe ainda uma lista dos principais restaurantes no país. Para os sul-coreanos, a comida pode não parecer apetecível, mas o site explica o porquê da comida norte-coreana ser tão boa. A resposta: "O gosto e o aroma, as lindas cores, a variedade e é muito saudável para o corpo".

Se a pessoa está no "mood" de ver um filme, existe um site que mostra o cinema norte-coreano. O Festival Internacional de Cinema de Pyongyang está a acontecer agora e o evento está a ser promovido na página. Os três tipos de filmes que podem ser vistos no festival são "filmes de arte, documentários e filmes animados".

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.