sicnot

Perfil

Mundo

Gato morto transformado em mala e vendido em leilão

Uma mulher na Nova Zelândia embalsamou um gato para fazer uma mala. Depois, colocou a "mala" à venda num site de leilões, conseguindo arrecadar quase 400 euros. As reações à mala foram distintas: uns chamaram-na "nojenta", outros viram a "obra de arte" como algo sem criatividade ou artístico.

Claire Third é taxidermista há 15 anos. Taxidermia é a reprodução ou montagem de animais para exibição ou estudo.

A mulher encontrou o gato morto à beira da estrada, recolheu-o e guardou-o no frigorífico. Depois de três meses, Claire decidiu embalsamar o animal e torná-lo numa "obra de arte".

A mala demorou 300 horas a ser feita. Ao fim de sete anos no frigorífico, Claire decidiu colocar a mala à venda num site de leilões, conseguindo arrecadar cerca de 350 euros.

Na descrição do leilão, Claire escreveu: "Tom é uma bolsa de mão para a mulher que tem tudo. A mala que chamará a atenção para onde quer que vá".

As reações à mala foram distintas: uns chamaram-na "nojenta", outros viram a "obra de arte" como algo sem criatividade ou artístico. Várias pessoas acusaram-na de matar gatos. Outras, talvez num tom mais irónico, comentaram que preferiam outro tipo de gatos.

  • Bruno de Carvalho e Octávio Machado suspensos

    Desporto

    O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, e o diretor-geral para o futebol, Octávio Machado, foram esta terça-feira suspensos pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência de uma queixa apresentada pelo Benfica em novembro de 2015.

  • Corredora exausta é levada ao colo até à meta na meia maratona do amor
    1:06

    Mundo

    Aconteceu este domingo em Filadélfia, EUA. A poucos metros da meta uma corredora exausta é amparada por dois colegas. Mas o cansaço é tanto que fica sem força nas pernas. É quando aparece a terceira ajuda. Um homem volta para trás e leva-a no colo até à meta. A centímetros do fim larga-a para que a corredora possa atravessar a meta pelo seu próprio pé.

    Patrícia Almeida

  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho