sicnot

Perfil

Mundo

Governo mexicano condena homicídio de sobrinha de Ángel Maria Villar

Angel Maria Villar

© Reuters

O governo mexicano expressou na terça-feira repúdio pelo sequestro e assassinato de uma sobrinha do presidente da Federação Espanhola de Futebol, Ángel María Villar, raptada e assassinada há uma semana no México.

O corpo da sobrinha de Ángel María Villar foi encontrado na localidade de Toluca, cerca de 60 quilómetros a sudoeste da Cidade do México, segundo revelou o ministro dos Negócios Estrangeiros espanhol, José Manuel García Margallo, em declarações à margem da Assembleia-Geral das Nações Unidas.

Em reação a este homicídio, o governo mexicano expressou solidariedade com os familiares da vítima e garantiu trabalhar com as autoridades locais para esclarecer este crime.

"Além de expressar a condenação deste ato e sua solidariedade com os familiares da vítima, o governo garante que as autoridades federais e judiciais trabalham em conjunto para apurar a verdade dos factos e capturar os responsáveis", referiu o governo mexicano, em comunicado.

A procuradoria-geral da república mexicana informou, também em comunicado, que já se encontra a investigar o caso, entregue ao departamento especializado em investigação a delinquência organizada (Seido).

Na mesma nota enviada à imprensa, a procuradoria esclarece que a sobrinha de Villar foi vista pela última vez a 13 de setembro, a oeste da Cidade do México.

"No dia seguinte, a sua família foi contactada a exigir o pagamento de um resgate para a libertação da vítima", pode ler-se no comunicado.

A informação da procuradoria acrescenta que, nesse mesmo dia, a família efetuou o pagamento e procurou a polícia federal que, por sua vez, notificou a Seido.

A 15 de setembro foi encontrado um corpo de uma mulher, sem vida, na localidade de Santiago Tianguistenco, perto de Toluca, que foi posteriormente identificada como a sobrinha de Villar.

Villar preside à Federação Espanhola de Futebol desde 1988, tendo também assento no comité executivo da FIFA desde 1998.

Lusa

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05