sicnot

Perfil

Mundo

Jornal do Partido Comunista cubano publica pela primeira vez nota oficial dos EUA

O diário oficial cubano Granma publicou esta quarta-feira, pela primeira vez desde a sua fundação em 1965, uma nota da embaixada dos Estados Unidos sobre as presidenciais de novembro, num sinal do desanuviamento as relações entre os dois países.

O órgão oficial do Comité Central do Partido Comunista de Cuba (PCC) publicou num suplemento nas páginas centrais a "Informação aos cidadãos americanos que residem em Cuba", precisando a forma de inscrição dos votantes na embaixada ou através da internet.

Em declarações à agência noticiosa France-Presse um porta-voz da representação diplomática norte-americana declarou-se "feliz" por esta publicação, resultante do reinício das relações diplomáticas entre os dois países em julho de 2015.

"O Granma publica regularmente mensagens de outras embaixadas. Para nós também é possível, porque já somos uma embaixada", prosseguiu, antes de precisar que à semelhança do habitual o diário cubano não pediu qualquer contribuição.

A representação diplomática dos EUA não referiu o número de cidadãos norte-americanos que residem na ilha.

Após o anúncio no final de 2014 sobre a reaproximação, os dois países conseguiram concretizar diversos progressos, incluindo o reinício oficial das suas relações interrompidas em 1961, dois anos após a revolução cubana e no ano da invasão da "Baía dos porcos". As embaixadas foram reabertas em Washington e Havana em julho e agosto de 2015.

No entanto, a normalização completa das relações permanece por resolver na sequência do embargo norte-americano imposto à ilha das Caraíbas desde 1962, na sequência da "Crise dos mísseis", e que permanece em vigor.

Havana também exige a restituição da base de Guantánamo, ocupada pelos Estados Unidos desde 1903, e o abandono das leis migratórias 'ad hoc' que encorajam os cubanos e emigrar ilegalmente para o vizinho do norte.

No dia 8 de novembro os eleitores norte-americanos vão optar entre a democrata Hillary Clinton, adepta da política de aproximação iniciada pelo Presidente Barack Obama, e o republicano Donald Trump, que parece propor uma política mais dura face ao Governo de Raúl Castro.

Lusa

  • Manchester canta "Don't Look Back in Anger" dos Oasis
    1:11

    Ataque em Manchester

    O Reino Unido cumpriu esta manhã, às 11:00, um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do ataque de segunda-feira em Manchester. Nesta cidade britânica, uma mulher começou a cantar a canção dos Oasis "Don't Look Back in Anger" e a multidão logo se juntou, num momento tocante.

  • Mesquita é demasiado pequena para a quantidade de fiéis que há em Lisboa
    1:16
  • Herói de Paris não vai à Rússia
    2:12
  • A proposta indecente para que Zlatan fique no Man. United
    1:19

    Liga Europa

    Apesar de lesionado e de ter falhado a final da Liga Europa, Zlatan Ibrahimovic foi dos mais animados na hora dos festejos do Manchester United, esta quinta-feira. E o avançado sueco protagonizou ainda um momento caricato. Quando se apercebeu, o jogador fez questão de comentar com Ashley Young... e registar para a posteridade com uma fotografia perto de um cartaz de um adepto que lhe fez uma proposta indecente: "Zlatan, fica e podes 'comer' a minha mulher", lia-se na tarja.

  • Mourinho volta a conquistar a Europa

    Liga Europa

    O Manchester United conquistou esta quarta-feira a Liga Europa pela primeira vez. Este foi o quarto título europeu para Mourinho, depois das conquistas da Taça UEFA, em 2002/03, e da Liga dos Campeões, em 2003/04 e 2009/10.

  • Hoje é o dia internacional da criança desaparecida
    1:52

    País

    Assinala-se esta quinta-feira o dia internacional da criança desaparecida, numa altura em que foi conhecido um dado preocupante: há cada vez mais raptos parentais. O Instituto de Apoio à Criança recebe, por dia, 10 pedidos de ajuda.

  • Marcelo diz que a Europa precisa de paixão
    2:36

    País

    O Presidente da República diz que a Europa precisa de paixão e defende que não é com tecnocracia que se mobilizam os cidadãos. No último dia da visita de Estado ao Luxemburgo e depois de ter feito um apelo à comunidade portuguesa para se recensear, alguns portugueses responderam à chamada.