sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro do Japão defende "novos meios" para deter Coreia do Norte

© Mike Segar / Reuters

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse esta quarta-feira, na tribuna da ONU, que o mundo tem de encontrar "novos meios" de deter a Coreia do Norte após os seus recentes testes nuclear e balístico.

"A ameaça que tem como alvo a comunidade internacional torna-se cada vez mais grave e concreta. São necessários novos meios para lhe responder, diferentes daqueles utilizados até agora", sublinhou Abe perante a 71.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, que decorre em Nova Iorque.

"A ameaça atingiu uma dimensão totalmente diferente da que parecia ter até agora", explicou, referindo-se aos aparentes esforços de Pyongyang para miniaturizar as suas ogivas nucleares e eventualmente instalá-las em mísseis intercontinentais.

O primeiro-ministro japonês não precisou que meios equaciona utilizar contra Pyongyang, que está já sujeito a severas sanções internacionais.

Abe é conhecido por fazer declarações firmes sobre a Coreia do Norte e fez da revisão da pacifista Constituição do Japão um dos seus cavalos de batalha, por ela proibir ao país qualquer operação militar ofensiva desde a Segunda Guerra Mundial.

A Coreia do Norte levou a cabo no início de setembro o seu quinto ensaio nuclear, o maior alguma vez realizado, e que foi precedido de muitos testes de mísseis balísticos.

Um dos mísseis disparados de território norte-coreano nas últimas semanas penetrou na zona económica exclusiva ao largo do Japão.

Estes testes, que violam as resoluções da ONU, foram condenados pela comunidade internacional.

O Conselho de Segurança da ONU, de que o Japão é atualmente membro não permanente, considera a imposição de novas sanções à Coreia do Norte, que deverão ser negociadas entre Washington e Pequim.

A China, vizinha e única aliada de Pyongyang, está a esforçar-se por proteger o regime comunista por medo de o ver ruir e dar lugar a uma Coreia unida sob a influência norte-americana.

A Coreia do Norte está sujeita a várias séries de sanções internacionais, ainda reforçadas em março deste ano, desde o seu primeiro ensaio nuclear, em 2006. Mas tal não a dissuadiu de prosseguir a bom ritmo os seus programas militares.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa para receber dois beijos. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.