sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro do Japão defende "novos meios" para deter Coreia do Norte

© Mike Segar / Reuters

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse esta quarta-feira, na tribuna da ONU, que o mundo tem de encontrar "novos meios" de deter a Coreia do Norte após os seus recentes testes nuclear e balístico.

"A ameaça que tem como alvo a comunidade internacional torna-se cada vez mais grave e concreta. São necessários novos meios para lhe responder, diferentes daqueles utilizados até agora", sublinhou Abe perante a 71.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, que decorre em Nova Iorque.

"A ameaça atingiu uma dimensão totalmente diferente da que parecia ter até agora", explicou, referindo-se aos aparentes esforços de Pyongyang para miniaturizar as suas ogivas nucleares e eventualmente instalá-las em mísseis intercontinentais.

O primeiro-ministro japonês não precisou que meios equaciona utilizar contra Pyongyang, que está já sujeito a severas sanções internacionais.

Abe é conhecido por fazer declarações firmes sobre a Coreia do Norte e fez da revisão da pacifista Constituição do Japão um dos seus cavalos de batalha, por ela proibir ao país qualquer operação militar ofensiva desde a Segunda Guerra Mundial.

A Coreia do Norte levou a cabo no início de setembro o seu quinto ensaio nuclear, o maior alguma vez realizado, e que foi precedido de muitos testes de mísseis balísticos.

Um dos mísseis disparados de território norte-coreano nas últimas semanas penetrou na zona económica exclusiva ao largo do Japão.

Estes testes, que violam as resoluções da ONU, foram condenados pela comunidade internacional.

O Conselho de Segurança da ONU, de que o Japão é atualmente membro não permanente, considera a imposição de novas sanções à Coreia do Norte, que deverão ser negociadas entre Washington e Pequim.

A China, vizinha e única aliada de Pyongyang, está a esforçar-se por proteger o regime comunista por medo de o ver ruir e dar lugar a uma Coreia unida sob a influência norte-americana.

A Coreia do Norte está sujeita a várias séries de sanções internacionais, ainda reforçadas em março deste ano, desde o seu primeiro ensaio nuclear, em 2006. Mas tal não a dissuadiu de prosseguir a bom ritmo os seus programas militares.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.