sicnot

Perfil

Mundo

Queijo queimado com 3 mil anos

Pote de barro com 3 mil anos com resíduos de queijo queimado

Museum Silkeborg

Na Idade do Bronze, as famílias também queimavam a comida no fogão. Uma descoberta na Dinamarca vem provar que o método tentativa-erro na cozinha é intemporal.

Na região montanhosa do centro da Dinamarca, os arqueólogos descobriram um pote de barro intacto com resíduos de uma substância carbonizada que parece ter sido um dia queijo.

"É uma substância vítrea, esponjosa que parece ser o resultado de deixarmos algo ao lume durante tanto tempo que acaba por ficar em cinzas", explica Kaj F. Rasmussen, diretor de arqueologia do Museu de Silkeborg.

Normalmente, utensílios com esta idade são encontrados aos bocados, a maioria perto de áreas com água o que destrói todo e qualquer material orgânico que tenham contido. Mas este pote de barro que resistiu à passagem do tempo foi encontrado bem enterrado numa cova onde não apanhou nem muita chuva nem esteve exposto ao oxigénio, pelo que a comida em cinzas se preservou.

Depois da análise microscópica aos resíduos, a equipa de Kaj teve a sua resposta: "O que encontrámos foram lípidos de bovino".

Depois da análise microscópica aos resíduos, a equipa de Kaj teve a sua resposta: "O que encontrámos foram lípidos de bovino. Pensamos que fosse proveniente do estômago de vacas, onde as bactérias produzem estes ácidos gordos".

Anteriores descobertas arqueológicas provaram que o homem faz queijo há pelo menos 7 mil anos - mas esta descoberta da Idade do Bronze prova também há muito que o método tentativa-erro é utilizado na culinária.

"Todos sabemos o que acontece quando queimamos queijo - fica um cheiro insuportável", diz Kaj. "Suponho que este recipiente estaria a deitar imenso fumo e a empestar o local por isso alguém teve de se livrar dele - e a forma mais simples era a de o levar para o exterior e enterrá-lo - e assim se limpa uma cozinha".

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15