sicnot

Perfil

Mundo

Rússia aciona sistemas antiaéreos junto à fronteira com países bálticos

Sistemas antiaéreos S-400

© Grigory Dukor / Reuters

A Rússia anunciou hoje que vai acionar dois sistemas antiaéreos S-400 na região noroeste de Leninegrado, limítrofe com as três repúblicas bálticas - Estónia, Letónia e Lituânia -, que são membros da NATO.

"Dois novíssimos sistemas antiaéreos S-400 Triumph foram fornecidos à Força Aérea e às Forças de Defesa Antiaérea (...) estacionadas na região de Leninegrado", disse o comandante do distrito militar ocidental, Igor Muguinov, à agência Interfax.

O general explicou que os S-400, os mesmos que a Rússia enviou para a Síria para proteger a sua base aérea em Latakia, vão garantir "a defesa aérea do flanco noroeste do país".

A Rússia e a NATO têm-se acusado mutuamente nos últimos dois anos de violações repetidas dos respetivos espaços aéreos na região báltica.

A anexação da península ucraniana da Crimeia pela Rússia e a guerra no leste da Ucrânia levou os países bálticos a pedir à NATO para reforçar a sua presença militar na região.

Os S-400 são capazes de abater alvos aéreos -- desde caças-bombardeiros a mísseis de cruzeiro -- a uma distância de 250 quilómetros.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.