sicnot

Perfil

Mundo

Ver filmes dramáticos é um analgésico natural

© Susana Vera / Reuters

Ver filmes é bom para a saúde, sobretudo aqueles que até nos fazem chorar. Aumenta os níveis de um químico no cérebro que atenua a dor.

Experiências realizadas por uma equipa de cientistas da Universidade de Oxford, Grã-Bretanha, demonstram que assistir a obras cinematográficas dramáticas ou mesmo trágicas desencadeia uma reacção química no nosso cérebro - são libertadas endorfinas, químicos que atuam no cérebro para atenuar a dor.

As endorfinas têm propriedades analgésicas mas também ajudam à formação de laços com as outras pessoas.

O fascínio por histórias vem desde tempos antigos, quando os seres humanos começaram a viver em comunidades como caçadores recolectores, lembra o responsável pela investigação, o professor Robin Dunbar.

"A ficção é uma faceta muito importante da sociedade humana, comum a todas as culturas", sublinha o professor de psicologia à BBC. "Permite que a sabedoria seja passada de geração em geração e enraíza os valores da comunidade, aproximando-nos uns dos outros", explica.

Mas as razões para que a ficção seja tão cativante não estão ainda bem estudadas por psicólogos ou biólogos evolucionistas.

A equipa de Oxford, que reuniu cientistas e psicólogos, decidiu testar se filmes dramáticos desencadeavam a libertação de endorfinas. Ao primeiro grupo de voluntários foi mostrado o filme "Stuart: A Life Backwards", a história de um sem-abrigo que teve uma infância traumática. O segundo grupo viu documentários com temas neutros. No final mediram os níveis de endorfina libertados e detetaram que eram superiores no primeiro grupo.

Esta investigação, publicado na revista Open Science da Royal Society, permitiu perceber que, além das propriedades analgésicas, as endorfinas tem um papel importante no aumento da tolerância da dor. As áreas do cérebro que lidam com com a dor física são as mesmas que são ativadas numa experiência de dor emocional.

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".