sicnot

Perfil

Mundo

Abbas diz que Israel "destrói" qualquer esperança na solução de dois Estados

Sergei Ilnitsky

O Presidente da Autoridade Palestiniana, Mahmud Abbas, afirmou esta quinta-feira na Assembleia-geral da ONU que a manutenção dos colonatos israelitas na Cisjordânia, território palestiniano ocupado há quase 50 anos, destrói qualquer esperança de uma solução de dois Estados.

"O que o governo israelita está a fazer ao continuar com a sua colonização expansionista é destruir qualquer possibilidade de uma solução de dois Estados segundo as fronteiras de 1967", declarou Abbas, a partir da tribuna das Nações Unidas.

"Os colonatos são ilegais em todos os seus aspetos", insistiu.

A solução dos dois Estados - a criação de um Estado palestiniano coexistente em paz com Israel - tem sido a peça central dos vários projetos internacionais de regulação do conflito israelo-palestiniano, um dos mais antigos do mundo.

A colonização, a construção de edificações civis em terras ocupadas por Israel desde 1967, tem sido um grande obstáculo para a paz naquela região.

O processo é considerado ilegal pela comunidade internacional, mas tem sido mantido por todos os governos israelitas, incluindo o atual executivo liderado por Benjamin Netanyahu, que figura entre os defensores dos colonatos.

Durante a sua intervenção na 71.ª sessão da Assembleia-geral das Nações Unidas, a decorrer em Nova Iorque, o Presidente da Autoridade Palestiniana prometeu "continuar com todos os esforços" para obter a adoção no Conselho de Segurança da ONU de uma resolução de condenação da colonização e "do terrorismo exercido pelos colonos".

"Estamos envolvidos neste momento em consultas intensivas com países árabes e com outros amigos sobre esta questão", acrescentou.

As anteriores tentativas palestinianas para tentar votar uma resolução no Conselho saíram fracassadas nomeadamente por causa da oposição dos Estados Unidos, membro permanente daquele órgão das Nações Unidas que dispõe de direito de veto.

Abbas lamentou o facto de nenhuma das 12 resoluções do Conselho a condenar a colonização israelita nos territórios palestinianos ocupados tenha sido aplicada, insistindo que isso "encorajou Israel a continuar com os projetos" na Cisjordânia com "toda a impunidade".

Também afirmou por diversas vezes que os palestinianos "nunca irão aceitar que a atual situação continue", sublinhando que o povo palestiniano "nunca irá aceitar uma solução temporária ou provisória".

Mahmud Abbas instou ainda a comunidade internacional a reconhecer a Palestina como um Estado.

"Aqueles que acreditam na solução dos dois Estados devem reconhecer os dois Estados, e não apenas um deles", frisou ainda.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.