sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas duvidam que se possa limitar aquecimento gobal a 1,5ºC

Cientistas do clima reunidos esta semana em Oxford (Reino Unido) consideram que será "muito difícil" alcançar o objetivo de limitar o aquecimento global a 1,5 graus celsius, tal como ficou definido na Conferência de Paris, em dezembro.

Em dezembro, a comunidade internacional - sob a égide da ONU - fixou o compromisso de limitar o aumento da temperatura a valores "bem abaixo dos 2 graus celsius" em relação à era pré-industrial, desejavelmente nos 1,5 graus.

"Nesta fase, não temos mais do que alguns cenários que apontam para esse objetivo (do aumento máximo de 1,5°), e trata-se de casos particulares", sublinhou a climatóloga francesa Valérie Masson-Delmotte, citada pela agência France Presse.

Os diferentes modelos climáticos incluem centenas de cenários para reduzir - com a velocidade adequada - a emissão de gases com efeito de estufa, que estão na origem de um aquecimento global que atingiu valores nunca vistos. No entanto, apenas um punhado de cenários hipotéticos resultam num aumento inferior aos 1,5° fixados em Paris.

"Este objetivo de 1,5 graus apanhou a comunidade científica de surpresa", explicou Jim Hall, diretor do Instituto de Alterações Ambientais de Oxford, que acolhe até domingo uma conferência dedicada a este tema.

O objetivo dos 2°C já tinha sido fixado na conferência sobre o clima de Copenhaga, em 2009. Mas no final de 2015, perante um número cada vez maior de desastres climatéricos, os dirigentes de todo o mundo decidiram impor um objetivo mais exigente, de 1,5°C.

Vários países, sobretudo economias emergentes, criticaram os possíveis efeitos desta decisão para a evolução do seu crescimento.

No final, a decisão foi saudada como uma vitória política, em particular para os países mais vulneráveis, ilhas ou países costeiros.

Os cientistas recordam que, neste momento, a tendência mundial será de um aquecimento global de pelo menos 3°C até ao final do século, o que representaria muitas áreas devastadas e a extinção de numerosas espécies.

"A má notícia (para o objetivo 1,5º) é que nós já estamos a dois terço do caminho", recorda Hall, recordando que o planeta já aqueceu mais +1°C em relação ao nível anterior à Revolução Industrial.

Se o objetivo de 2°C era já considerado muito ambicioso, tanto a nível técnico como político, para numerosos cientistas é quase impossível atingir o limiar dos 1,5º Celsius.

Lusa

  • "Se Portugal não confia no sistema judicial de Angola não deve fazer negócios com o país"
    18:27

    País

    O julgamento do caso Fizz arrancou esta segunda-feira. Victor Silva, diretor do Jornal de Angola, esteve na Edição da Noite para analisar como estão as relações entre Portugal e Angola, numa altura em que Manuel Vicente viu recusada a transferência do processo para o país angolano. Victor Silva afirmou que a decisão de "separar os processos vai de encontro aos interesses dos dois estados" e vai mais longe ao dizer que se Portugal "não confia no sistema judicial de Angola então não pode fazer negócios com o país".

  • "Conseguimos resultados e provámos que eles não tinham razão"
    1:01

    País

    António Costa lançou esta segunda-feira um ataque à oposição. O primeiro-ministro, que passou pelas jornadas parlamentares do PS, que decorrem em Coimbra, disse que o Governo conseguiu nestes dois anos mostrar à direita que tinha razão no caminho escolhido. Costa falou ainda de Mário Centeno no Eurogrupo e destacou a "estabilidade" que existe dentro do grupo parlamentar socialista num apontar de dedo aos sociais-democratas.

  • Centeno promete avançar com reformas para a zona euro
    1:45

    Economia

    Mário Centeno liderou esta segunda-feira a primeira reunião do Eurogrupo. O ministro das Finanças português prometeu pôr mãos à obra para reformar a zona euro e, sem se comprometer com datas, deixou a porta entreaberta à entrada da Bulgária na zona euro.

  • Obras no Estádio do Estoril já começaram

    Desporto

    A Câmara de Cascais emitiu esta segunda-feira um comunicado a informar que já começaram os trabalhos no Estádio do Estoril e que, segundo a autarquia, seguem as recomendações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • O jogador de futebol que se tornou Presidente de um país

    Mundo

    George Weah tomou posse esta segunda-feira como Presidente da Libéria. Foi a segunda vez que o antigo futebolista concorreu ao cargo, depois de em 2005 ser derrotado pela candidata Ellen Johnson-Sirleaf. Foi o primeiro e único futebolista africano a receber uma Bola de Ouro. A história de George Weah também passou por Portugal, onde ficou conhecido pela agressão ao ex-jogador do FC Porto, Jorge Costa, em 1996.

    Ana Rute Carvalho

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC