sicnot

Perfil

Mundo

Cientistas duvidam que se possa limitar aquecimento gobal a 1,5ºC

Cientistas do clima reunidos esta semana em Oxford (Reino Unido) consideram que será "muito difícil" alcançar o objetivo de limitar o aquecimento global a 1,5 graus celsius, tal como ficou definido na Conferência de Paris, em dezembro.

Em dezembro, a comunidade internacional - sob a égide da ONU - fixou o compromisso de limitar o aumento da temperatura a valores "bem abaixo dos 2 graus celsius" em relação à era pré-industrial, desejavelmente nos 1,5 graus.

"Nesta fase, não temos mais do que alguns cenários que apontam para esse objetivo (do aumento máximo de 1,5°), e trata-se de casos particulares", sublinhou a climatóloga francesa Valérie Masson-Delmotte, citada pela agência France Presse.

Os diferentes modelos climáticos incluem centenas de cenários para reduzir - com a velocidade adequada - a emissão de gases com efeito de estufa, que estão na origem de um aquecimento global que atingiu valores nunca vistos. No entanto, apenas um punhado de cenários hipotéticos resultam num aumento inferior aos 1,5° fixados em Paris.

"Este objetivo de 1,5 graus apanhou a comunidade científica de surpresa", explicou Jim Hall, diretor do Instituto de Alterações Ambientais de Oxford, que acolhe até domingo uma conferência dedicada a este tema.

O objetivo dos 2°C já tinha sido fixado na conferência sobre o clima de Copenhaga, em 2009. Mas no final de 2015, perante um número cada vez maior de desastres climatéricos, os dirigentes de todo o mundo decidiram impor um objetivo mais exigente, de 1,5°C.

Vários países, sobretudo economias emergentes, criticaram os possíveis efeitos desta decisão para a evolução do seu crescimento.

No final, a decisão foi saudada como uma vitória política, em particular para os países mais vulneráveis, ilhas ou países costeiros.

Os cientistas recordam que, neste momento, a tendência mundial será de um aquecimento global de pelo menos 3°C até ao final do século, o que representaria muitas áreas devastadas e a extinção de numerosas espécies.

"A má notícia (para o objetivo 1,5º) é que nós já estamos a dois terço do caminho", recorda Hall, recordando que o planeta já aqueceu mais +1°C em relação ao nível anterior à Revolução Industrial.

Se o objetivo de 2°C era já considerado muito ambicioso, tanto a nível técnico como político, para numerosos cientistas é quase impossível atingir o limiar dos 1,5º Celsius.

Lusa

  • O míssil que veio da Rússia

    Mundo

    A investigação holandesa conclui que era russo o míssil que abateu o avião das linhas aéreas da Malásia, em julho de 2014, e que foi lançado do leste da Ucrânia, uma zona controlada por separatistas. Moscovo considera que as conclusões são falsas e têm motivações políticas.

  • Secretária de Estado obrigada a fugir de manifestantes

    País

    A secretária de Estado da Educação foi vaiada e obrigada a fugir de manifestantes, esta manhã, em Celorico de Basto. Alexandra Leitão foi confrontada com mais de 30 pessoas, em protesto contra o encerramento da Escola Básica da freguesia de Rego.

  • O pedido de desculpas de Sam Allardyce

    Desporto

    O ex-selecionador inglês de futebol Sam Allardyce, que na terça-feira deixou o cargo após a divulgação de um vídeo no qual explica a forma de contornar as regras de transferências, disse hoje ter "cometido um erro de avaliação" e que caiu numa armadilha.

  • E se Tom Hanks aparecesse no seu casamento?

    Mundo

    O casal norte-americano Elisabeth e Ryan queriam um casamento "à Hollywood". Para a tradicional sessão de fotos, escolheram o Central Park, em Nova Iorque, que tantas vezes já serviu de cenário a enlaces no grande écrã. Do que certamente Elisabeth e Ryan não estavam à espera é que um dos mais famosos atores de cinema - Tom Hanks - aparecesse acidentalmente no seu casamento e se juntasse aos noivos na sessão fotográfica.