sicnot

Perfil

Mundo

Líder do PSOE vai propor que partido tente formar Governo

© Andrea Comas / Reuters

O secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, vai propor ao Comité Federal do partido que mantenha o "não" a um Governo liderado por Mariano Rajoy e que os socialistas devem liderar a formação de um executivo alternativo ao atual executivo.

Sánchez irá levar estas propostas ao órgão máximo entre congressos do PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol que se reúne a 01 de outubro próximo, segundo fontes da direção dos socialistas, que acompanham Sánchez na campanha eleitoral para o Parlamento do País Basco, e que estão a ser citadas pela imprensa espanhola.

Com esta posição, Pedro Sanchez tenta obter apoios contra a posição de alguns dirigentes socialistas, como a secretária-geral do partido na Andaluzia, Susana Días, que defende que "com 85 votos não se pode governar" Espanha.

No Comité Federal do PSOE, os socialistas tentarão encontrar uma saída para o atual impasse político e evitar novas eleições.

Alguns barões do PSOE têm criticado a direção e defendido a necessidade de se abrir um debate interno para discutir as várias alternativas para desbloquear o impasse atual.

A tarefa de Pedro Sánchez poderá complicar-se se o resultado das eleições deste domingo na Galiza e no País Basco confirmarem as indicações das sondagens que dão conta de uma diminuição do peso dos socialistas nestas Comunidades Autónomas espanholas.

O líder do PP (Partido Popular, de direita) e presidente em funções do Governo espanhol, Mariano Rajoy, fracassou a 02 de setembro a segunda votação de investidura no Congresso dos Deputados, tendo 180 deputados votado contra e 170 a favor, o mesmo número da votação de dois dias antes.

Com a ameaça de convocação de eleições pela terceira vez no espaço de um ano cada vez mais perto, o PP já revelou que irá apresentar uma iniciativa para reformar a Lei Eleitoral e evitar que os espanhóis votem no Dia de Natal.

Se o atual impasse não for debloqueado até 31 de outubro próximo, o rei Felipe VI terá de dissolver o parlamento e convocar novas eleições para 54 dias depois, 25 de dezembro.

Se isso acontecer, serão as terceiras eleições legislativas que se realizam no espaço de um ano, depois de na primeira consulta, em 20 de dezembro de 2015, e na segunda, em 26 de junho deste ano, as quatro principais forças políticas espanholas (PP, PSOE, Unidos Podemos e Ciudadanos) não terem conseguido chegar a um acordo para formar um Governo estável em Espanha.

Nas eleições de 26 de junho, o PP foi o partido mais votado (33 por cento dos votos e 137 deputados), seguido pelo PSOE (22,7% e 85), Unidos Podemos (21,1% e 71) e Ciudadanos (13,0% e 32).

Lusa

  • Cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se em Lisboa
    3:55

    Economia

    Perto de cinco mil trabalhadores da PT manifestaram-se esta sexta-feira, em Lisboa. Os números são avançados pelos sindicatos. Os trabalhadores contestam a transferência de funcionários para empresas parceiras da Altice e outras empresas do grupo, sem as mesmas garantias e direitos. A Altice garante que as transferências são legais mas alguns funcionários já levaram o caso a tribunal.

  • Uma viagem aérea pela Lagoa Negra
    1:02
  • Videovigilância regista impacto de sismo na Grécia

    Mundo

    Um sismo de magnitude 6.7 atingiu na quinta-feira o mar Egeu e causou pelo menos dois mortos e mais de 200 feridos. O momento e o impacto causado pelo abalo foram registados através de uma câmara de videovigilância de um café, na ilha grega de Kos, um dos locais mais afetados.

  • A sátira a Sean Spicer no Saturday Night Live
    1:36

    Mundo

    O estilo de Sean Spicer foi controverso desde o início. A relação conflituosa do ex-assessor da Casa Branca com os jornalistas foi muitas vezes satirizada na comunicação social. Um exemplo é um momento do Saturday Night Live, protagonizado pela atriz Meliissa McCarthy.

  • Músico indiano toca guitarra durante cirurgia ao cérebro

    Mundo

    Abhishek Prasad foi submetido a uma cirurgia ao cérebro esta quinta-feira, num hospital na cidade indiana de Bangalore, após anos e anos a sofrer de dolorosos espasmos nas mãos. O insólito do caso foi que o músico indiano teve de tocar guitarra para ajudar os médicos durante a intervenção cirúrgica.