sicnot

Perfil

Mundo

Menino escreve carta a Obama porque quer ajudar criança síria

Recorda-se da imagem de uma criança Síria sentada numa ambulância com o corpo coberto de pó e a cara ensanguentada? Alex, um menino norte-americano de 6 anos, não só não se esqueceu, como quer ajudá-la. Para isso escreveu uma carta a Barack Obama, pedindo que o Presidente vá buscar Omran, de quem se conheceu a identidade, e o deixe em sua casa.

O pequeno Alex deixou as devidas instruções: "Estacione na entrada ou na rua e nós vamos estar à vossa espera com bandeiras, flores e balões. Vamos dar-he uma família e ele vai ser o nosso irmão". A descrição da vida que o rapaz sonha para o menino sírio continua e é impossível não ficar indiferente.

"Na minha escola eu tenho um amigo da Síria e eu vou apresentá-lo aos outros meus amigos e podemos brincar todos juntos" e continua: "Por favor, diga-lhe que o seu irmão vai ser o Alex, que é um rapaz muito simpático, tal como ele".

Barack Obama concorda. "Estas são as palavras de um menino de 6 anos, que não aprendeu a ser cínico, desconfiado ou medroso. Devíamos todos ser como o Alex."

Omran Daqneesh, de cinco anos, sobreviveu a um ataque aéreo em Alepo, Síria, em agosto deste ano. A imagem do menino, sentado numa ambulância emocionou o mundo.

O melhor mesmo é ver o vídeo, publicado por Barack Obama na sua página oficial do Facebook.

Esta é a carta que está a ficar famosa, depois de o Presidente dos Estados Unidos partilhar nas Nações Unidas, na cimeira sobre os refugiados.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras