sicnot

Perfil

Mundo

"Nobel alternativo" distingue movimento civil sírio e jornal independente turco

​Um movimento civil sírio, duas defensoras dos direitos humanos, do Egito e da Rússia, e um jornal independente turco foram hoje distinguidos, em Estocolmo, com o prémio "Right Livelihood" 2016, conhecido como "Nobel Alternativo".

"Os premiados deste ano confrontam-se diariamente com alguns dos mais prementes problemas mundiais - a guerra, a liberdade de expressão, os direitos das mulheres ou a situação dos migrantes", afirmou o diretor-executivo da fundação Right Livelihood, Ole von Uexhull, na cerimónia de apresentação dos vencedores, em Estocolmo.

"Com o prémio 2016, destacamos a sua coragem, compaixão e compromisso, e celebramos também o êxito do seu trabalho, contra todos os obstáculos e a verdadeira diferença que fazem atualmente no mundo", sublinhou.

O grupo Defesa Civil Síria é composto por três mil voluntários de várias comunidades sírias, homens e mulheres, com a missão de retirar pessoas presas sob os escombros de edifícios destruídos na guerra civil.

Conhecidos como "Capacetes Brancos", padeiros, alfaiates, comerciantes ou professores tornaram-se bombeiros e socorristas responsáveis pelo salvamento de cerca de 60 mil vidas, de acordo com a fundação Right Livelihood, que atribuiu pela primeira vez um prémio a uma organização síria "pela bravura, compaixão e compromisso humanitário no socorro de civis atingidos pela destruição da guerra civil na Síria".

A egípcia Mozn Hassan e a organização que fundou em 2007, a Nazra para Estudos Femininos, foram distinguidas "por reclamar a igualdade e direitos das mulheres em circunstâncias em que estão sujeitas a violência, abusos e discriminação constantes", afirmou Uexhull.

A organização de Mozn Hassan documentou casos de violações dos direitos humanos e coordenou a resposta aos numerosos casos de ataques sexuais contra mulheres que participavam nas manifestações durante e após a revolta no Egito em 2011, garantindo que as sobreviventes recebiam cuidados médicos e acompanhamento psicológico e legal, indicou a fundação.

Svetlana Gannushkina, da Rússia, foi escolhida "pelas décadas de empenho na promoção dos direitos humanos e da justiça para refugiados e migrantes forçados e pela defesa da tolerância entre diferentes grupos étnicos".

Através da organização que fundou e dirige - Comissão de Assistência Cívica -, Svetlana Gannushkina garantiu acompanhamento legal gratuito, ajuda humanitária e educação a mais de 50 mil migrantes, refugiados e deslocados desde 1990.

O trabalho da ativista nos tribunais russos e no Tribunal Europeu de Direitos Humanos impediu a repatriação forçada de migrantes da Rússia para países na Ásia Central, onde podiam ser detidos e torturados.

Como membro do Conselho Presidencial de Direitos Humanos russo de 2002 a 2012, Gannushkina defendeu a reforma da lei sobre refugiados, o que permitiu que mais de dois milhões de pessoas obtivessem a cidadania russa.

O quarto laureado é um dos mais destacados jornais independentes na Turquia, o Cumhuriyet, distinguido "pelo compromisso com a liberdade de expressão perante a opressão, censura, detenção e ameaças de morte", declarou Uexhull.

O jornal, fundado em 1924, prova "numa altura em que a liberdade de expressão na Turquia está ameaçada" que a "voz da democracia não será silenciada", de acordo com a fundação.

Os prémios "Right Livelihood" (modo de vida correto), mais conhecidos como "Nobel Alternativo", foram criados em 1980 para "honrar e apoiar homens e mulheres que oferecem respostas práticas e exemplares aos desafios mais urgentes e atuais".

Este ano, foram analisadas 125 nomeações de 50 países, por um júri internacional. Até agora, a fundação distinguiu 166 laureados de 68 países.

Os vencedores vão partilhar um prémio de três milhões de coroas suecas (315 mil euros), que será aplicado no trabalho que estão a desenvolver.

A cerimónia de entrega dos prémios vai decorrer em dezembro na capital sueca.

Lusa

  • Proteção Civil desmobiliza meios em Setúbal

    País

    A Proteção Civil vai começar a desmobilizar, hoje à tarde, meios de combate ao incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal e que já está em fase de rescaldo, disse à agência Lusa o vereador da Proteção Civil Municipal.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • Portugal condenado por decisão "discriminatória e preconceituosa"
    1:19

    País

    Portugal voltou a ser condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, desta vez por causa de uma decisão discriminatória e preconceituosa. Trata-se do caso da mulher a quem o Supremo Tribunal Administrativo baixou o valor de uma indemnização por negligência médica. Entre os vários argumentos usados, os juízes portugueses consideraram que a sexualidade é menos importante quando se tem 50 anos e dois filhos.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.