sicnot

Perfil

Mundo

ONU pede reforço da segurança nos aeroportos face ao terrorismo

O Conselho de Segurança da ONU aprovou esta quinta-feira uma resolução que defende o reforço da segurança nos aeroportos e aviões face à ameaça do terrorismo.

No decurso de uma reunião de ministros, o órgão máximo de decisão das Nações Unidas abordou pela primeira vez o assunto e sublinhou a importância de reforçar os padrões internacionais e assegurar a sua adequada aplicação em todos os países.

A resolução implica uma importante mensagem aos governos para que trabalhem com a Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) numa revisão das atuais normas.

Entre outras medidas necessárias, o texto menciona os controlos de segurança, o controlo dos empregados com acesso a instalações aeroportuárias e as novas tecnologias que permitem detetar explosivos e outras ameaças.

Nesse sentido, apela ao aumento da cooperação entre países à partilha de informação pelos que dispõem de melhores sistemas.

Os Estados-membros advertem que "os grupos terroristas continuam a considerar a aviação civil como um objetivo atrativo, com o objetivo de custar substanciais perdas de vidas e danos económicos".

O texto, entre outras recomendações, pede aos países da ONU que "exijam às companhias aéreas que operam nos seus territórios informação atempada às autoridades nacionais competentes sobre os passageiros".

O Reino Unido impulsionou a adoção desta resolução após os recentes ataques nos aeroportos de Bruxelas e Istambul, ou à explosão de um avião que sobrevoava o Egito.

A resolução foi aprovada pelos 15 países que integram o Conselho de Segurança, um consenso que na perspetiva do secretário para a Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jeh Johnson, "demonstra que é uma questão grave e urgente".

O chefe da diplomacia britânica, Boris Johnson, recordou que o tráfego aéreo civil transporta anualmente três mil milhões de pessoas, e recordou tratar-se da primeira resolução da ONU "em toda a sua história" que se centra neste tema.

Lusa

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06