sicnot

Perfil

Mundo

ONU pede reforço da segurança nos aeroportos face ao terrorismo

O Conselho de Segurança da ONU aprovou esta quinta-feira uma resolução que defende o reforço da segurança nos aeroportos e aviões face à ameaça do terrorismo.

No decurso de uma reunião de ministros, o órgão máximo de decisão das Nações Unidas abordou pela primeira vez o assunto e sublinhou a importância de reforçar os padrões internacionais e assegurar a sua adequada aplicação em todos os países.

A resolução implica uma importante mensagem aos governos para que trabalhem com a Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) numa revisão das atuais normas.

Entre outras medidas necessárias, o texto menciona os controlos de segurança, o controlo dos empregados com acesso a instalações aeroportuárias e as novas tecnologias que permitem detetar explosivos e outras ameaças.

Nesse sentido, apela ao aumento da cooperação entre países à partilha de informação pelos que dispõem de melhores sistemas.

Os Estados-membros advertem que "os grupos terroristas continuam a considerar a aviação civil como um objetivo atrativo, com o objetivo de custar substanciais perdas de vidas e danos económicos".

O texto, entre outras recomendações, pede aos países da ONU que "exijam às companhias aéreas que operam nos seus territórios informação atempada às autoridades nacionais competentes sobre os passageiros".

O Reino Unido impulsionou a adoção desta resolução após os recentes ataques nos aeroportos de Bruxelas e Istambul, ou à explosão de um avião que sobrevoava o Egito.

A resolução foi aprovada pelos 15 países que integram o Conselho de Segurança, um consenso que na perspetiva do secretário para a Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jeh Johnson, "demonstra que é uma questão grave e urgente".

O chefe da diplomacia britânica, Boris Johnson, recordou que o tráfego aéreo civil transporta anualmente três mil milhões de pessoas, e recordou tratar-se da primeira resolução da ONU "em toda a sua história" que se centra neste tema.

Lusa

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho.