sicnot

Perfil

Mundo

Oposição venezuelana confirma que há "uma ditadura disfarçada"

O partido Um Novo Tempo disse esta quinta-feira que a decisão do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) de remeter o referendo revogatório do mandado do Presidente para o primeiro trimestre de 2017, confirma que "há uma ditadura disfarçada" na Venezuela.

"Como era de esperar, as reitoras do CNE deram um golpe à vontade maioritária do povo venezuelano e a decisão evidencia que na Venezuela estamos perante uma ditadura disfarçada à qual já caiu a máscara", disse José Luís Rodríguez, presidente de Um Novo Tempo para o Estado de Miranda (sul de Caracas).

Num comunicado distribuído em Caracas, o luso-descendente, que também preside à Câmara Municipal de Carrizal (onde reside uma importante comunidade portuguesa), frisou que a decisão da CNE "constitui uma vil e flagrante violação da Constituição" venezuelana.

Por outro lado, denunciou que, no Estado de Miranda, apenas vão ser habilitados, pelo CNE, 121 centros de voto dos 1.125 que existe, o que representa menos de 11 por cento.

Também que a região apenas contará com 562 máquinas de verificação de dados e impressões digitais dos eleitores, das 4.057 atribuídas à região, o que representa quase 13%.

"Se a isto somarmos que a maioria dos centros de votação escolhidos pelo CNE vão ser de difícil acesso, que o processo se realizará em apenas três dias, em horário de escritório e não na circunscrição nacional (20% dos votos por cada Estado) como corresponde ao cargo de Presidente, fica em evidência o empenho das reitoras (do CNE) em impedir o referendo revogatório este ano", frisou.

A oposição venezuelana quer realizar um referendo revogatório ainda em 2016 e tem acusado o CNE de atrasar propositadamente a calendarização das diferentes etapas do processo, para demorar a saída de Nicolás Maduro do poder.

Se o referendo se realizar até 10 de janeiro de 2017 deverão ser convocadas novas eleições presidenciais, segundo a legislação venezuelana.

Na noite de quarta-feira, o CNE afastou a possibilidade de o referendo se realizar antes de meados do primeiro trimestre de 2017.

Se o referendo ocorrer depois de 10 de janeiro de 2017, o vice-Presidente da Venezuela em funções, atualmente Aristóbulo Isturiz, assumirá os destinos do país até 2019, quando termina o atual mandato presidencial.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.