sicnot

Perfil

Mundo

Oposição venezuelana confirma que há "uma ditadura disfarçada"

O partido Um Novo Tempo disse esta quinta-feira que a decisão do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) de remeter o referendo revogatório do mandado do Presidente para o primeiro trimestre de 2017, confirma que "há uma ditadura disfarçada" na Venezuela.

"Como era de esperar, as reitoras do CNE deram um golpe à vontade maioritária do povo venezuelano e a decisão evidencia que na Venezuela estamos perante uma ditadura disfarçada à qual já caiu a máscara", disse José Luís Rodríguez, presidente de Um Novo Tempo para o Estado de Miranda (sul de Caracas).

Num comunicado distribuído em Caracas, o luso-descendente, que também preside à Câmara Municipal de Carrizal (onde reside uma importante comunidade portuguesa), frisou que a decisão da CNE "constitui uma vil e flagrante violação da Constituição" venezuelana.

Por outro lado, denunciou que, no Estado de Miranda, apenas vão ser habilitados, pelo CNE, 121 centros de voto dos 1.125 que existe, o que representa menos de 11 por cento.

Também que a região apenas contará com 562 máquinas de verificação de dados e impressões digitais dos eleitores, das 4.057 atribuídas à região, o que representa quase 13%.

"Se a isto somarmos que a maioria dos centros de votação escolhidos pelo CNE vão ser de difícil acesso, que o processo se realizará em apenas três dias, em horário de escritório e não na circunscrição nacional (20% dos votos por cada Estado) como corresponde ao cargo de Presidente, fica em evidência o empenho das reitoras (do CNE) em impedir o referendo revogatório este ano", frisou.

A oposição venezuelana quer realizar um referendo revogatório ainda em 2016 e tem acusado o CNE de atrasar propositadamente a calendarização das diferentes etapas do processo, para demorar a saída de Nicolás Maduro do poder.

Se o referendo se realizar até 10 de janeiro de 2017 deverão ser convocadas novas eleições presidenciais, segundo a legislação venezuelana.

Na noite de quarta-feira, o CNE afastou a possibilidade de o referendo se realizar antes de meados do primeiro trimestre de 2017.

Se o referendo ocorrer depois de 10 de janeiro de 2017, o vice-Presidente da Venezuela em funções, atualmente Aristóbulo Isturiz, assumirá os destinos do país até 2019, quando termina o atual mandato presidencial.

Lusa

  • Um morto e um militar da GNR ferido em Porto Alto

    País

    Um homem que era perseguido pela GNR morreu, no Porto Alto (Benavente), na sequência de uma troca de tiros com os militares. Outro suspeito foi detido e um terceiro estará barricado num café. Um militar da GNR foi baleado num braço.

    Em desenvolvimento

  • Da minha janela, Lisboa