sicnot

Perfil

Mundo

Oposição venezuelana promete manter luta por referendo revogatório presidencial

A aliança opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD) recusou esta quinta-feira a decisão do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela de remeter o referendo revogatório do Presidente Nicolás Maduro para meados do primeiro trimestre de 2017.

A oposição insiste que, apesar da decisão do CNE, é possível realizar a consulta popular antes do fim do ano e anunciou que se manterá em "pé de luta", com protestos, para que o referendo revogatório presidencial tenha lugar ainda este ano.

"As condições contradizem o espírito e a letra da Constituição. Virá uma jornada nacional de mobilização, protestos massivos, pacíficos, mas enérgicos, em defesa dos direitos da população e da Constituição. Esses senhores (Governo) vão encontrar um país em pé de luta, em defesa da Carta Magna" disse o secretário da MUD.

Em declarações aos jornalistas, em Caracas, Jesus Chuo Torrealba, insistiu que o Executivo mostrou "debilidade" ao sugerir "o cenário mais restritivo e violador" para o referendo

A oposição venezuelana quer realizar um referendo revogatório ainda em 2016 e tem acusado o CNE de atrasar propositadamente a calendarização das diferentes etapas do processo, para demorar a saída de Nicolás Maduro do poder.

Se o referendo se realizar até 10 de janeiro de 2017 deverão ser convocadas novas eleições presidenciais, segundo a legislação venezuelana.

Na noite de quarta-feira o CNE afastou a possibilidade de o referendo se realizar antes de meados do primeiro trimestre de 2017.

Se o referendo ocorrer depois de 10 de janeiro de 2017, o vice-Presidente da Venezuela em funções, atualmente Aristóbulo Isturiz, assumirá os destinos do país até 2019, quando termina o atual mandato presidencial.

Lusa

  • A cronologia da crise política na Venezuela

    Mundo

    A crise política na Venezuela tem vindo a aprofundar-se com a oposição a insistir na realização de um referendo para revogar o mandato do Presidente do país, Nicolás Maduro, levando esta quinta-feira milhares a protestarem na rua.

  • Mais de 2 mil bombeiros combatem as chamas esta manhã

    País

    Mais de 2 mil bombeiros combatem esta manhã os incêndios em Portugal continental. Os dois fogos de maiores dimensões lavram nos distritos de Santarém e Castelo Branco, de acordo com o site Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

    Em atualização

  • Incêndios causaram 76 feridos no espaço de uma semana
    0:34

    País

    No espaço de uma semana, 76 pessoas ficaram feridas, incluindo seis com gravidade, durante os incêndios florestais. Na conferência de imprensa desta tarde, a Proteção Civil explicou que há cinco planos municipais de emergência ativos por causa das chamas.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.