sicnot

Perfil

Mundo

Papa pede que jornalismo não se transforme em "arma de destruição"

O Papa Francisco afirmou esta quinta-feira que "o jornalismo não se pode transformar numa arma de destruição de pessoas ou povos, ou alimentar medos", numa reunião com a associação de jornalistas italianos, no Vaticano.

O Papa argentino pede que "o jornalismo seja um instrumento de construção, um factor de bem comum e um acelerador de processos de reconciliação" e afirma que "o jornalista tem um papel de grande importância e ao mesmo tempo de grande responsabilidade", uma vez que "de alguma forma escreve o primeiro esboço da História".

Os jornalistas que desempenham o seu trabalho "com profissionalismo continuam a ser um elemento fundamental para a vitalidade de uma sociedade livre e pluralista", considerou.

"Amar a verdade, viver com profissionalismo, o que vai além das leis e das normas, e respeitar a dignidade humana, o que é mais difícil do que se possa pensar à primeira vista", são para o Papa os três pilares sobre os quais se deve apoiar a profissão.

Sobre a procura da verdade, Francisco deu o exemplo da política e de muitos conflitos "rodeados de dinâmicas pouco claras, o que dificulta chegar à verdade".

"O verdadeiro trabalho ou a missão do jornalista é chegar o mais próximo possível da verdade dos factos e não dizer ou escrever coisdas que se sabe não serem verdade", afirmou.

O profissionalismo dos jornalistas assenta "na necessidade de não se submeter às lógicas dos interesses de partes, sejam eles económicos ou políticos", explicou.

Ao longo da História, "as ditaduras, de qualquer orientação e cor, tentaram apropriar-se não só dos meios de comunicação, como também impor novas regras à profissão de jornalista", disse o Papa, sublinhando que "a vocação do jornalista tem de ser fazer crescer a dimensão social do Homem e favorecer a construção de uma verdadeira cidadania".

O chefe da Igreja Católica advertiu os jornalistas de que "um artigo hoje publicado, embora amanhã seja substituído por outro" pode "destruir para sempre ou difamar injustamente" a vida de uma pessoa.

"A crítica é legítima, assim como a denúncia do mal, mas sempre com respeito pelos outros, a sua vida e os seus entes queridos", acrescentou.

No final da sua intervenção, Francisco pediu aos jornalistas para se lembrarem sempre de que "qualquer conflito pode ser resolvido com homens e mulheres de boa vontade".

Com Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.