sicnot

Perfil

Mundo

Papa pede que jornalismo não se transforme em "arma de destruição"

O Papa Francisco afirmou esta quinta-feira que "o jornalismo não se pode transformar numa arma de destruição de pessoas ou povos, ou alimentar medos", numa reunião com a associação de jornalistas italianos, no Vaticano.

O Papa argentino pede que "o jornalismo seja um instrumento de construção, um factor de bem comum e um acelerador de processos de reconciliação" e afirma que "o jornalista tem um papel de grande importância e ao mesmo tempo de grande responsabilidade", uma vez que "de alguma forma escreve o primeiro esboço da História".

Os jornalistas que desempenham o seu trabalho "com profissionalismo continuam a ser um elemento fundamental para a vitalidade de uma sociedade livre e pluralista", considerou.

"Amar a verdade, viver com profissionalismo, o que vai além das leis e das normas, e respeitar a dignidade humana, o que é mais difícil do que se possa pensar à primeira vista", são para o Papa os três pilares sobre os quais se deve apoiar a profissão.

Sobre a procura da verdade, Francisco deu o exemplo da política e de muitos conflitos "rodeados de dinâmicas pouco claras, o que dificulta chegar à verdade".

"O verdadeiro trabalho ou a missão do jornalista é chegar o mais próximo possível da verdade dos factos e não dizer ou escrever coisdas que se sabe não serem verdade", afirmou.

O profissionalismo dos jornalistas assenta "na necessidade de não se submeter às lógicas dos interesses de partes, sejam eles económicos ou políticos", explicou.

Ao longo da História, "as ditaduras, de qualquer orientação e cor, tentaram apropriar-se não só dos meios de comunicação, como também impor novas regras à profissão de jornalista", disse o Papa, sublinhando que "a vocação do jornalista tem de ser fazer crescer a dimensão social do Homem e favorecer a construção de uma verdadeira cidadania".

O chefe da Igreja Católica advertiu os jornalistas de que "um artigo hoje publicado, embora amanhã seja substituído por outro" pode "destruir para sempre ou difamar injustamente" a vida de uma pessoa.

"A crítica é legítima, assim como a denúncia do mal, mas sempre com respeito pelos outros, a sua vida e os seus entes queridos", acrescentou.

No final da sua intervenção, Francisco pediu aos jornalistas para se lembrarem sempre de que "qualquer conflito pode ser resolvido com homens e mulheres de boa vontade".

Com Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59