sicnot

Perfil

Mundo

Perto de 300 rebeldes e famílias deixam o último bairro rebelde de Homs

Perto de 300 rebeldes sírios e as suas famílias abandonaram esta quinta-feira o último bairro rebelde de Homs (centro) no âmbito de um acordo com o regime, anunciou o governador provincial.

Trata-se da segunda vez que um acordo do tipo é aplicado no bairro de Waer, depois do alcançado em dezembro entre o regime e rebeldes, sob os auspícios da ONU e que previa que o setor passasse para o controlo do exército em troca do levantamento do cerco.

"Foram 123 homens armados e 157 membros das suas famílias que tomaram a direção do norte da província de Homs", indicou aos jornalistas o governador Talal al-Barazi.

Um correspondente da agência France Presse no local viu dezenas de rebeldes, aos quais o acordo permitiu guardarem as suas armas ligeiras, saírem do bairro de Waer com mulheres e crianças.

Os rebeldes, com pouca bagagem, entraram em autocarros verdes, na presença de soldados sírios e russos.

O emissário da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, criticou recentemente a estratégia do regime de forçar a saída de habitantes de localidades que sitiava, como aconteceu em Daraya, ex-feudo rebelde perto de Damasco que foi esvaziada dos seus habitantes após ter estado quatro anos sitiada.

"Partilho o vosso receio acerca do facto de, depois de Daraya, podermos ter outras Darayas e isso poderá ser a estratégia de uma das partes neste momento", declarou Mistura aos jornalistas no início de setembro, no final de uma reunião em Genebra do grupo de trabalho sobre ajuda humanitária na Síria.

"Devemos ignorar o facto de que existe claramente uma estratégia neste momento para fazer em Waer e em Muadamiyat Al-Sham como em Daraya", insistiu Mistura na ocasião, lembrando que 75.000 vivem em Waer enquanto Daraya só tinha alguns milhares de habitantes (perto de 8.000, segundo estimativas).

Uma fonte próxima da administração de Homs disse que o acordo não implica uma política de esvaziar o bairro de Waer dos seus 75.000 habitantes.

"Os civis que partiram hoje são as famílias dos homens armados. Nenhum dos outros civis partiu e são bem acolhidos no bairro", indicou a mesma fonte à AFP.

Em tempos designada a "capital da revolução", Homs foi palco de manifestações em massa em 2011, no início da revolta contra o regime de Bashar al-Assad.

Após dois anos de intensos combates, o exército recuperou em maio de 2014 a quase totalidade da terceira cidade da Síria, com exceção do bairro de Waer.

Cinco anos de guerra na Síria causaram já mais de 300.000 mortos e obrigaram milhões a abandonarem as suas casas.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa para receber dois beijos. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.