sicnot

Perfil

Mundo

Apreensões em alfândegas crescem 15% na UE mas caem 73% em Portugal

O número de apreensões de artigos de contrafação aumentou em 15% na União Europeia (UE), de 2014 para 2015, mas desceu 73% em Portugal, segundo dados esta sexta-feira divulgados pela Comissão Europeia.

No conjunto dos 28 Estados-membros da UE, o número de artigos apreendidos aumentou em mais de cinco milhões, de 2014 para 2015, de 35.568.982 para 40.728.675 (mais 15%)

Em Portugal, o número de artigos apreendidos caiu de 1.312.39, em 2014, para 352.405, no ano seguinte (uma quebra de 73%).

Os cigarros continuam a constituir a principal categoria (27%) de artigos apreendidos na UE, ao passo que os produtos do quotidiano que poderão ser perigosos para a saúde e a segurança dos consumidores, como alimentos e bebidas, produtos de higiene, medicamentos, brinquedos e eletrodomésticos representam, em conjunto, 25,8 % do total das apreensões.

A China continua a ser o principal país de origem das mercadorias de contrafação (41%), seguida do Montenegro, de Hong Kong, da Malásia e do Benim.

O Benim foi o país de origem de uma grande quantidade de géneros alimentícios, ao passo que o maior número de bebidas alcoólicas de contrafação veio do México.

A Malásia destacou-se em relação aos produtos de higiene, a Turquia em relação ao vestuário, enquanto Hong Kong foi líder em matéria de telemóveis e acessórios, cartões de memória, material informático, CD e DVD e isqueiros de contrafação.

O Montenegro foi a principal origem para os cigarros de contrafação, enquanto a Índia liderou a lista no que respeita a medicamentos.

Em mais de 91% das apreensões, as mercadorias foram quer destruídas quer alvo de processos judiciais para determinar a existência de uma violação do direito em cooperação com o titular do direito da marca em causa.

Lusa

  • Younes Abouyaaqoub, o homem mais procurado de Espanha
    1:53
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Costa desafia PSD para pacto depois das autárquicas
    1:14
  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22