sicnot

Perfil

Mundo

Gatos partiram à conquista do mundo com os vikings

Ericeira, Portugal

Francisco Seco / AP

Milhares de anos antes de conquistarem a Internet, os gatos percorreram o mundo por terra e e por mar, à boleia de antigos agricultores, marinheiros e até dos vikings. É a conclusão do primeiro estudo em grande escala ao genoma do gato.

O estudo apresenta os resultados da sequenciação do ADN de 209 gatos que viveram entre 15 mil anos e 3700 anos atrás - desde o advento da agricultura até ao século XVIII d.C..

Encontrados em mais de 300 sítios arqueológicos na Europa, Médio Oriente e África, estes felinos têm ajudado os investigadores a juntar as peças do puzzle da domesticação do gato, uma história sobre a qual se sabe muito pouco.

"Não sabemos a história dos gatos antigos. Não sabemos a sua origem, não sabemos como ocorreu a sua dispersão" pelo planeta, disse à revista Nature uma das autoras do estudo, Eva-Maria Geigl especialista em genética da evolução do Instituto Jacques Monod em França.

Uma sepultura de seres humanos com 9500 anos, no Chipre, continha também restos mortais de um gato, o que sugere que a ligação entre homens e felino data pelo menos do advento da agricultura. Os antigos egípcios terão domesticado o gato há 6 mil anos e, nas últimas dinastias, mumificaram cerca de um milhão. Foram ainda descobertos e analisados os esqueletos de gatos encontrados numa antiga povoação viking na Alemanha.

Gato mumificado do Antigo Egito

Gato mumificado do Antigo Egito

Natural History Museum, London

Os cientistas concluem que terão sido dois os movimentos de dispersão felina: no primeiro, os gatos espalharam-se do Médio Oriente até ao Mediterrâneo com os agricultores. No segundo, que começou no Egito, os gatos viajaram por África e pela Europa.

Os cientistas concluem que terão sido dois os movimentos de dispersão felina: no primeiro, os gatos espalharam-se do Médio Oriente até ao Mediterrâneo com os agricultores. Milhares de anos depois, a partir do Egito, os gatos viajaram por África e pela Europa - foi encontrada uma linhagem de ADN mitocondrial (herdado apenas por via materna) comum entre gatos mumificados do Egito e gatos na Bulgária, Turquia e África subsariana.

Num segundo movimento, os gatos viajaram à boleia dos marinheiros de terras longínquas, entre eles os vikings. O mesmo ADN materno foi encontrado nos restos mortais de gatos na povoação viking no norte da Alemanha, que data entre o século VIII e o século XI d.C.

O estudo foi apresentado numa conferência de arqueologia em Oxford. Ainda está numa primeira fase pelo que análises mais aprofundadas poderão trazer novos dados e ainda terá de ser validado pelos pares, como é costume na comunidade científica.

  • O Dia Mundial do Gato

    Mundo

    Para assinalar o Dia Mundial do Gato, que se comemorou esta segunda-feira, mostramos-lhe uma galeria de imagens com vários gatos no seu habitat natural. Uns são estrelas de cinema e vão a estreias, outros pertencem a famílias mais reservadas. Há o Larry, o gato do número 10 do Downing Street, e o "grumpy cat", um gato que não parece gostar muito da vida. Gatos que interrompem jogos de futebol e gatos que gostam de se deitar na cabeça das pessoas. Na verdade, há gatos para todos os gostos.

  • Ilha dos gatos

    Mundo

    Todos os dias, centenas de turistas chegam à ilha remota de Aoshima, no sul do Japão.  A atração é apenas uma: o "exército" de gatos que ali vive. Com uma população de menos de 20 seres humanos, Aoshima tem 120 gatos - um rácio de 6 para um. 

  • Nasceu o primeiro bebé que junta genes de três pessoas

    Mundo

    Nasceu no México o primeiro bebé do mundo com três pais genéticos. O parto ocorreu em abril, mas só agora foi divulgado pela revista New Scientist. A técnica de reprodução foi utilizada para evitar que um casal jordano tivesse filhos com mutações genéticas raras.