sicnot

Perfil

Mundo

General Augusto Pinochet mandou assassinar o seu principal oponente

Augusto Pinochet

DI BAIA

O general Augusto Pinochet ordenou pessoalmente a morte do seu oponente Orlando Letelier, assassinado em 1976, em Washington, segundo documentos desclassificados pela CIA e entregues esta sexta-feira pelos Estados Unidos ao Chile.

Os documentos foram entregues ao Presidente do Chile, Michelle Bachelet, durante uma cerimónia no local da explosão para assinalar o 40.º aniversário do assassínio de Orlando Letelier.

Os documentos incluem um relatório da CIA de 1987 a atestar que o próprio Pinochet tinha orquestrado o ataque nas ruas de Washington.

"Temos a prova de que Augusto Pinochet ordenou pessoalmente ao seu chefe dos serviços secretos a morte" de Orlando Letelier, afirmou Peter Kornbluh, especialista nos Arquivos de Segurança Nacional.

Orlando Letelier

Orlando Letelier

AS

Orlando Letelier era um ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do presidente socialista Salvador Allende e um dos mais ferozes opositores de Augusto Pinochet.

O antigo político morreu juntamente com a mulher e um norte-americano na explosão do seu carro, armadilhado pela temida polícia secreta de Pinochet, a Dina.

A explosão ocorreu a 21 de setembro de 1976, no coração de Washington, na zona das embaixadas.

Aquela explosão foi a única ação terrorista orquestrada por um Estado estrangeiro que ocorreu em Washington e provocou protestos na capital dos Estados Unidos.

Lusa

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.