sicnot

Perfil

Mundo

General Augusto Pinochet mandou assassinar o seu principal oponente

Augusto Pinochet

DI BAIA

O general Augusto Pinochet ordenou pessoalmente a morte do seu oponente Orlando Letelier, assassinado em 1976, em Washington, segundo documentos desclassificados pela CIA e entregues esta sexta-feira pelos Estados Unidos ao Chile.

Os documentos foram entregues ao Presidente do Chile, Michelle Bachelet, durante uma cerimónia no local da explosão para assinalar o 40.º aniversário do assassínio de Orlando Letelier.

Os documentos incluem um relatório da CIA de 1987 a atestar que o próprio Pinochet tinha orquestrado o ataque nas ruas de Washington.

"Temos a prova de que Augusto Pinochet ordenou pessoalmente ao seu chefe dos serviços secretos a morte" de Orlando Letelier, afirmou Peter Kornbluh, especialista nos Arquivos de Segurança Nacional.

Orlando Letelier

Orlando Letelier

AS

Orlando Letelier era um ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do presidente socialista Salvador Allende e um dos mais ferozes opositores de Augusto Pinochet.

O antigo político morreu juntamente com a mulher e um norte-americano na explosão do seu carro, armadilhado pela temida polícia secreta de Pinochet, a Dina.

A explosão ocorreu a 21 de setembro de 1976, no coração de Washington, na zona das embaixadas.

Aquela explosão foi a única ação terrorista orquestrada por um Estado estrangeiro que ocorreu em Washington e provocou protestos na capital dos Estados Unidos.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.