sicnot

Perfil

Mundo

Menino de três anos sobrevive sozinho durante 72 horas na floresta siberiana

Tuva Online

Um menino de três anos sobreviveu sozinho durante três dias numa floresta na Sibéria. Tserin Dopchut passou por temperaturas abaixo de zero na floresta de Taiga, onde existem ursos, lobos e rios muito perigosos. A criança estava desaparecida desde domingo e, agora, chama-lhe Mogli, como o menino de O Livro da Selva.

O menino vive em Khut, uma pequena cidade no sul da Sibéria. Aos cuidados da avó, Tserin Dopchut estava a brincar na rua quando começou a seguir um cão no domingo, acabando por desaparecer sem deixar rastro.

O desaparecimento foi logo reportado às autoridades e as buscas começaram. Mais de 100 pessoas, incluindo voluntários da cidade de Khut, procuraram pelo menino, assim como foi enviado um helicóptero para ajudar nas buscas.

Sholban Kara-ool Facebook

A criança não estava preparada o suficiente para enfrentar os perigos da floresta, ainda mais por ter apenas três anos. Contudo, o menino conseguiu desenvencilhar-se, ao alimentar-se com os chocolates que tinha e ao arranjar um local seguro para dormir debaixo de uma árvore.

Sholban Kara-ool Facebook

Tserin Dopchut foi encontrado na quarta-feira, apenas a três quilómetros da cidade onde vivia.

Há quem lhe chame Mogli pelo seu feito. O facto é que os quase 400 locais da Khut prepararam uma festa para celebrar a capacidade de sobrevivência do "pequeno Mogli".

O líder da República de Tuva Sholban Kara-ool recorreu ao Facebook para contar a história do menino e para partilhar algumas imagens.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras