sicnot

Perfil

Mundo

Ministro da Defesa do Reino Unido espera que ataque a Mossul comece nas próximas semanas

O ministro da Defesa do Reino Unido, Michael Fallon, afirmou esta sexta-feira que espera que uma operação de cerco a Mossul, com vista à sua conquista, comece nas próximas semanas.

Mossul, a segunda cidade do Iraque, nas margens do rio Tigre, está sob controlo do grupo que se designa por Estado Islâmico.

A recuperação do seu controlo constitui agora o objetivo supremo das forças iraquianas, apoiadas pela coligação internacional liderada pelos EUA, na guerra contra aquele grupo.

"Não há dúvidas que a derrota espera o Daesh [outra forma de designar o grupo]. Estamos em vias de libertar a última grande cidade do Iraque, Mossul", afirmou Fallon, à comunicação social, ao regressar a Londres após três dias no Iraque.

"Mossul é uma cidade grande e complexa, mas vai cair, cair em breve. Espero que a operação para o seu cerco comece nas próximas semanas", afirmou o ministro, adiantando que as tropas iraquianas estavam a preparar-se para esta operação.

Estas tropas avançaram na quinta-feira, com a tomada da cidade de Charqat, situada a 80 quilómetros a sul de Mossul e nas proximidades das vias de abastecimento para o exército que este vai usar quando lançar a ofensiva contra este bastião do Daesh.

O governo iraquiano prometeu reconquistar Mossul até ao final do ano e dirigentes militares norte-americanos deram a entender que a ofensiva final sobre Mossul poderia começar em outubro.

Os dirigentes de Bagdad terão porem de resolver uma série de desafios -- políticos, militares e humanitários -- antes de uma eventual vitória em Mossul.

Mesmo que a ofensiva final seja lançada em outubro, vão ser necessárias semanas, ou meses inclusive, antes de a cidade ser conquistada, pelas estimativas de analistas.

Michael Fallon reconheceu, por seu lado, que a queda de Mossul não significaria o fim do Daesh no Iraque, estimando contudo que o país se poderia livrar do grupo "nos próximos meses".

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras